segunda-feira, 19 de março de 2012

Trail de Penafirme, Uma bonita prova manchada por erros evitáveis.

Tocado ainda com um problema na canela a que se custuma chamar de Canelite fui fazer ontem o 1º Trail  de Penafirme, ali um pouco a norte de Santa Cruz na Região de Torres Vedras na distância de 30 kms.
Escusado será dizer que fiz asneira mas quando parti sentia que a lesão podia ser gerida conforme a corrida se ia desenvolvendo, só que "esqueci" que ia fazer trail com terrenos agrestes onde não faltou muita pedra solta, rochas, mata, asfalto, areia e muito sobe e desce. Ao fim de 2 kms de prova começo a sentir a canela com dores ainda que ligeiras, nesta altura seguíamos pelas arribas junto ao mar na direcção Norte, seguia já nas últimas posições com 2 amigos, Mário Lima e Carlos Coelho. Quando passo de novo junto ao local de partida pelos 4kms tinha duas opções, ou ficava ali e aliviava a dor que já era intensa ou seguiria e iria passar as tormentas até chegar ao final, optei por seguir.
No 1º abastecimento  perco de vista os meus companheiros e ganho também a certeza que até ao final vou sofrer e a valer. Consigo juntar-me a outro grupo onde seguia a Dina Mota (a contas com problemas numa perna mas em vias de recuperação) e o António Pinho, por volta do 6º kms erro no percurso, devíamos ter virado à esquerda e fomos em frente gerando-se aí grande confusão, começámos a ver os atletas da frente ao nosso encontro (junto ás Termas), já tinham dado uma volta e tornaram ali ao fim de 12 kms  para seguir o seu percurso, como vimos as fitas pensámos que íamos bem mas não era assim, estávamos agora num dilema, por onde seguir? é que ali naquele local havia fitas para 4 lados diferentes e não havia ali ninguém da organização para ajudar, soube depois que muitos atletas acabaram por fazer menos 4/5 kms e falharam 1 ou mais controlos num total de 4. Quando a organização se apercebeu do problema ainda destacou para lá alguém ainda a tempo de evitar males maiores.
O meu grupo andou por ali para trás e para a frente até que optámos por ir pela estrada de alcatrão na direcção do Vimeiro mas continuávamos a não ver as fitas, até que ao fim de 1 kms começámos de novo as ver as fitas ao mesmo tempo que vemos surgir da esquerda da estrada uma atleta que vinha pelo caminho certo e que deveria ser também o nosso caso não nos tivéssemos perdido. Agora seguíamos com a certeza que a rota era a correta, a Dina vai-se embora e eu fico com o Pinho e a Margarida, aquela que surgiu ali da esquerda e que optou por ficar conosco, era a sua primeira prova para além dos 21kms e estreante em provas de Trail, acho que fez bem e as suas fragelidades depressa se começaram a notar, a juntar ás suas juntaram-se as minhas devido à canelite e também ao Pinho que resolveu levar sapatos justinhos ao pé e que ainda faltava espaço para a meia, o resultado foi desastroso, a juntar a isto estava também com um problema na coluna, que rico trio.
Depois de contornarmos aquela volta (Km12) chegámos de novo ao local da confusão anterior, descíamos uma Serra e quando chegámos ás Termas já seguíamos em frente, é quando um elemento da organização nos manda virar logo à esquerda, se antes e após a passagem dos primeiros clkassificados lá estivessem muita coisa podia ser evitada, agora percebo porque se deu a confusão é que o local onde nos mandaram virar à esquerda vemos mais 2 percursos de fitas e por onde havemos de passar depois desta volta que íamos agora iniciar. Ao fim de mais 4 kms descemos de novo uma Serra retornamos ali ás Termas para logo de seguida apanhar outro trilho que nos conduziria para a parte Sul da prova. Creio que poderia ser evitada aquela confusão criada aos atletas abrindo um pouco mais o espaço de proximidade entre os atletas evitando o contacto visual das fitas em circuitos diferentes.
 Conforme o gráfico que o Garmin demonstra o sobe e desce foi sempre constante, a parte mais alta estava a pouco mais de 100 metros mas quando descíamos o plano regista perto de 10 metros acima do nível do mar pelo que o total acumulado pouco passou dos 700 metros positivos, bastante acessível este Trail tornou-se doloroso por causa da lesão, seguia agora bastante devagar e muito inconstante, descia mal pois a perna doía cada vez mais, aproveitava as subidas para aliviar um pouco mas logo os meus companheiros se atrasavam, até que por força de terminar o mais rápido possível com as minhas tormentas, dicidi com muita pena, ir-me embora e evitar o prolongamento daquele soplício, mas fi-lo apenas nos 8 kms finais e numa altura em que já nos abeiravamos do mar. Para mim foi um alívio enorme quando comecei a correr em cima de areia e tive pena que aqueles 5 kms finais não tivessem sido feitos sempre em cima de areia já que ao passarmos pela arriba ali havia de tudo, muita pedra e rocha  tornando dolorosa a progressão.
Fui-me arrastando e quando cheguei ao areal junto ao Hotel de apoio senti um alívio enorme, faltava cerca de 1,5km que são feitos sempre em passo de corrida até cortar a linha de meta, tendo ainda antes de lá chegar percorrido a pista de corrida de cavalos com cerca de 400 metros de diâmetro.
Após a chegada fui prontamente assistido pelos Bombeiros (a quem desde já agradeço a simpatia e dedicação) que ali estavam a dar assistência aos atletas. Ao fim de 10 minutos de gêlo segui a caminho do "almoço", aqui os parênteses justificam-se porque naquele momento senti muitas saudades daquilo a que estamos habituados, e quem lá almoçou compreenderá aquilo que quero dizer.
Creio que a prova tem muito a melhorar no que diz respeito ao seu percurso, existe demasiado asfalto que é percorrido, as partes do verdadeiro trail devem manter-se pois está espectacular, existe Serra suficiente para criar novos trilhos evitando-se aquelas curvinhas que nada trazem de novo, a subida e passagem pelo túnel foi de sonho bem como vistas extraordinárias que fomos tendo ao longo do percurso, recomendo a quem queira experimentar esta prova, eu voltarei sem qualquer dúvida pois sei que aquilo que fizeram em apoio aos atletas foi exemplar, trilhos bem limpos, outros nem tanto como convém, nas subidas agrestes aqui e ali não deixaram de abrir alguns degraus, creio que o pessoal do trail dispensaria essa atenção, mas pronto esta bom e isso é que interessa.
Não sei qual a decisão final da organização quanto à classificação geral, mais de metade (ouvi falar em 80%) dos atletas não passaram em todos os controlos por sucesivos erros de orientação, sendo por isso desclassificados. Eu, conforme o gráfico que anexo fiz todo o percurso, excepto o erro ao 6ºkm mas retomado o percurso pouco depois e tenho assinalado no meu dorsal os 4 controlos feitos pela organização. A culpa principal pelo ocorrido é dos atletas, correm sem olhar por onde devem ir no entanto qualquer organização deve acautelar com nitidez os cruzamentos que os atletas devem percorrer e assim precaver possiveis erros que podem ser evitados. Se a prova for anulada eu compreendo mas custa-me aceitar porque fiz todo o percurso e não tenho culpa dos erros dos outros.
Os meus dados estão no Gráfico: 29,750kms e o tempo de 4,55,20h.

Ver fotos aqui

5 comentários:

José Xavier disse...

Olá Joaquim Adelino;

Este local do Trail de Penafirme, tem uma parte de percurso que conhecemos muito bem. No verão é lá que treinamos, junto à arriba que vem de Sta Cruz, até Sta Rita, ao longo dos pinhais.

Gostei de ver que participou neste Trail, que certamente a organização vai escutar os conselhos e melhorar na próxima edição.

Um abraço, e as melhoras
dos Xavier's

joaquim adelino disse...

Amigo Xavier, essa parte que refere para mim foi a melhor devido à canelite, a areia solta ajudava ao amortecimento e sifria menos, mas as serras que percorremos dão uma vista espectacular, espero voltar lá sem problemas e desfrutar bem daquilo.
Um abraço para vocês.

luis mota disse...

Caro Amigo!
Espero que recupere dessa lesão e que o Almourol tenha a presença do carismático Pára.
Relativamente à prova, apesar de não ter estado, gostaria de deixar a minha opinião.
Perdi uma grande prova de Trail e vou querer estar na segunda edição.
Foi com muita pena que não estive presente. Depois de ver as fotos e vídeos lamento ainda mais.
Para a organização vai o meu apoio, pois sei que muitas horas de dedicação foram colocadas no terreno, para receber de braços abertos quem visitava a sua terra. Da minha parte inteira disponibilidade para colaborar. Para a 2ª edição ou um Treino Convívio (TC), se tiver disponibilidade, contem comigo.

Mário Lima disse...

Adelino

Foi uma belíssima prova. Pena a tua condição física não te dar para mais, mas com corre nas condições em que o fizeste só pode ter a nossa admiração.

Naquela subida íngreme, da qual te tirei a foto, receei que terias grandes dificuldades, pois era de difícil acesso e nas tuas condições pior seria.

Mas conseguiste, fizemos o percurso todo, superou-se as dificuldades que apareceram e agora vais ter de recuperar de uma vez por todas.

Haverão mais trilhos, e voltarás quando te sentires que o deves fazer.

Por isso Pára, estaremos juntos, um dia, num outro trilho, até lá... põe-te bom!

Abraços!

Tiago Silva disse...

Viva Adelino,

desde já as melhoras para essa canelite, está na altura de fazer uma paragem para recuperar a 200% de lesões e não cometer esses erros que sã bastantes prejudiciais para a nossa saúde desportiva e não só.

Em relação às marcações sei bem o que isso é pois no btt já sofri algumas vezes dessas pequenas falhas...Nada é infalível e nós sabemos que as organizações tentam fazer o seu melhor, mas ás vezes ficas um pouco à quem.

Um abraço e as melhoras