segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Maratona de Lisboa, 4 de Dezembro de 2011


O Comando e o Pára junto de amigos estreantes Foto de José Lopes

E pronto, a 12ª Maratona em estrada (8ª em Lisboa) foi concretizada este fim de semana em Lisboa, sem grande história para mim embora aqui e ali ouvesse incidências que vieram marcar em termos pessoais a minha participação.
Parti sem qualquer plano de corrida, aliás como é meu hábito, mas rapidamente mudei de ideias passados que iam apenas 2 kms quando observo à minha frente o marcador das 4 horas e um número significativo de atletas que o acompanhavam, dicidi juntar-me ao grupo e experimentar pela 1ªvez acompanhar numa Maratona o marcador de serviço. Pareceu-me nos primeiros kms que o ritmo era acessível para mim e segui sempre quase ombro a ombro com o homem que tinha a responsabilidade de conduzir todos aqueles homens para a marca que levava assinalada bem lá no alto. Aos 10 kms deu para ver que íamos mais rápidos do que era necessário (56m), conforme os kms iam avançando ia sentindo gradualmente o desgaste nas pernas fazendo-se sentir com maior dificuldade nas subidas que dão acesso ao Corte Inglês (Rua José Malhoa e António Augusto de Aguiar), ainda assim não cheguei a descolar do grupo e ali me mantive até chegar ao final da Rua do Ouro. Foi a partir daqui que fui ficando para o fundo do grupo e depois descolei prepositadamente já que comecei a ver que não ia aguentar aquele ritmo até ao final da prova. À passagem da Meia-Maratona registei o tempo de 1,57,17h, muito abaixo daquilo que tenho feito nas últimas 3 meias- maratonas que andaram sempre acima das duas horas. Vi logo a partir desta marca que iria ter um resto de Maratona bem sofrida e não foi preciso muito para começar a verificar isso mesmo e passados que foram mais 3 kms comecei a arrastar-me, havia alturas muito difíceis com tudo quase a querer parar e de seguida o regresso a uma boa disposição para prosseguir, percebi os sinais e reduzi ainda mais o andamento, na primeira parte da corrida (até à meia-maratona) andei na média dos 5,30m, agora já pisava os 6,30m até chegar ao km 29/30. Aqui e já muito perto dos 30kms parei e comecei a andar, não tinha qualquer reação no corpo e as pernas não tinham força, para piorar as coisas os intestinos dicidiram pressionar-me a ponto de ter de procurar local para lhe fazer a vontade, olhei para o lado direito e só havia o caminho de ferro, olho para a esquerda e só vejo relva bem cuidada e com algumas árvores dispersas e bem limpas na sua base, saio da estrada e entro no jardim sempre a andar, procuro uma esteva ou um conjunto de pequenas plantas para me esconder lá dentro mas ali não há nada disto, os bancos do jardim estão apinhados de gente que por ali passeia ao fim de Semana, olho mais ao longe e vejo a entrada para o Palácio do nosso Presidente e sigo nessa direcção, estava disposto a tudo, só não queria era imitar a Russa que há 2 anos cortou a meta em estado miserável, mas desistir é palavra que raramente aceito, então atravessei o quarteirão até à linha do Elétrico e reparo que ali existia um Restaurante que dá de frente para o tal Palácio e peço autorização ao proprietário para utilizar as suas instalações sanitárias o que foi logo concedido. Aproveitei para descansar um pouco e  disposição para voltar de novo à prova o que fiz passado pouco tempo. Atravessei de novo o quarteirão e entrei a poucos metros de novo no percurso mesmo em cima da marca dos 30kms (Fazer zoom no mapa Garmin na zona de Belém), (perdi ali cerca de 13m). A partir dali já parecia outro, mas por pouco tempo, tendo sido obrigado a manter o ritmo de corrida sempre muito lento até final da prova, aproveitei os abastecimentos (35 e 40kms)  para idratar bem e tomar o Gel que levava comigo. Os últimos 12 kms foram feitos sempre em passo de corrida, incluindo a Almirante Reis!!! tendo chegado ao Estádio com uma enorme satisfação depois de ter passado por situações nunca antes vividas numa prova de Maratona. Sinais dos tempos, provavelmente.
Penso que destas palavras que aqui deixo podem ser retiradas algumas ilações por parte da Organização da prova em melhorar as condições de corrida para os atletas e não preciso estar a dizer o que se deve fazer, existe já um historial de problemas que se repetem de ano para ano e já era altura de serem resolvidos.
A Organização da prova é profissional e os atletas precisam de ter as condições mínimas para poderem correr e estamos a falar de uma prova cujo percurso é totalmente realizado nas ruas de Lisboa.
Terminei a Maratona com o registo ainda assim simpático de 4,37,39h para os longossssssss 42,800kms.
Uma palavra de parabéns para alguns amigo que se estrearam na Maratona, Fábio Dias, José Lopes, Pedro Ferreira, Henriqueta Solipa de entre outros.

15 comentários:

Henriqueta Solipa disse...

Foi um prazer tê-lo conhecido mais de perto!

Fábio Pio Dias disse...

Olá Joaquim!

Mesmo com alguns incidentes (paragem prolongada de 13 minutos)demonstrou a determinação que o caracteriza eventualmente não obteve o tempo pretendido, mas o facto de terminar a sua 12ª. maratona é um feito.

Abraço e obrigado pela felicitação!

luis mota disse...

Amigo Joaquim
Belo desempenho. A primeira parte indica que está em boa forma, o azar da segunda é que foi pena (aconteceu-me o mesmo!) pois retira ritmo e motivação, fundamentais nesta distância.
Agradeço as palavras enviadas, foram na fase mais difícil da corrida e assim serviram para enfrentar os restantes quilómetros.
Aproveito para enviar os votos de boas festas, para si e para os seus familiares.
Grande abraço.
Luís Mota

horticasa disse...

Parabéns, apesar dos percalços é um herói, para mim quem consegue correr 42,800, é sempre um herói demore o tempo que demorar.
bj eugénia

.JOSÉ LOPES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
.JOSÉ LOPES disse...

Olá Joaquim

Parabéns por mais esta maratona
mesmo com aquele percalço até parece que correu bem.

Realmente não reparei se existiam WC ao longo do percurso.

Agradeço o estímulo e a água naqueles 2 km finais.

Parece que o fotógrafo da meta já tinha ido almoçar quando a atravessámos. :):)

Carlos Alexandre disse...

parabéns Joaquim

José Xavier disse...

Olá Joaquim Adelino;

Mais uma vitória desportiva. É bonito ver que está bem de saúde e motivado para estes desafios.

Quando estava a ler o texto, imaginei que tivesse entrado mesmo no Palácio de Belém e feito a vontade das necessidas fisológicas, no WC do Presidente. Teria sido um momento de grande emoção certamanente.!!!!

Continuação de uma boa recuperação.

Um abraço amigo dos Xavier's

JOSÉ NARCISO disse...

Olá Joaquim!!!
Uma coisa é certa!!já lá vão 12 Maratonas!!!
Concordo plenamente com as palavras do Luis Mota, e apesar de tudo o que se passou, só demonstra que estás em excelente forma, se não o organismo não correspondia e a prova foi dada na Almirante Reis, agradeço as tuas palavras proferidas no meu blog, obrigado.
Cumprimentos
José Narciso

bluewater68 disse...

Muitos parabéns por essa prova. Foi a conquista, segundo creio, da 12ª maratona, um feito que poucos se poderão orgulhar. Depois, pelo facto de ter sido feita com dificuldades, que foram ultrapassadas por uma enorme força de vontade e determinação, factores que também não estão ao alcance de todos. De destacar o tempo feito aos 21Km, que foi de facto muito elevado para o que ainda estava para vir.
Agora, que venha a 13ª :)
Cumprimentos

Jorge Branco disse...

Grande Joaquim Adelino desta fez até parecia o amigo Fernando Andrade que tem um historial nesse assunto das "urgências" "fisiológicas".
Eu ainda não me estriei nessa matéria mas deve faltar pouco!
Mais uma grande maratona que o amigo fez, e vão 12 quem me dera!

Jorge Branco disse...

Nosso Presidente não! Temos que o gramar mas nosso é que não!

António Almeida disse...

Parabéns Joaquim...e vai uma dúzia!
Abraço.

Novais disse...

Parabens pela conclusão de mais uma maratona, o para realmente nunca para a não ser quando as necessidades obrigam, mas quando têm que ser, nem que seja à frente do palácio de belém.
Um abraço

Carlos Lopes disse...

Desejo um Feliz Natal e um ano de 2012 cheio de alegria