segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ultra Trail de Sesimbra 15/4/2012

A chegada
Aí está, vencido mais um obstáculo que era a superação da meia centena de kms em provas de Trail, Sesimbra era o objectivo para o conseguir, há precisamente um ano atrás estava nos meus planos conseguir ultrapassar essa barreira mas um arreliador problema de saúde deitou por terra essa ambição, por isso foi com reservado otimismo que me apresentei neste dia no risco de partida já que a preparação para esta prova não tinha sido das melhores devido a um problema de circulação sanguínea e dor da canelite na perna esquerda (arranjado em Sicó devido a uma queda e torção do pé) mas que tudo indicava me iria permitir fazer a prova sem problemas de maior, mas não foi bem assim...
Dói, mas alegra a vista

Depois de estar equipado observei que poucos tinham em seu poder os bastões para o auxiliar em locais onde o esforço solicitado seria mais exigente, então cometi o erro ao deixá-los no carro pensando que a prova não seria tão exigente assim, quem olha para Sesimbra não vê razões para se assustar e ver ali coisas parecidas à Serra da Lousâ ou mesmo a Serra D´Arga, tudo lhe parece mais plano, por isso a ousadia de ir na "conversa" dos outros saiu mais cara em termos de poupança de esforço .
Os primeiros 25kms foram brutais mas lindíssimos ora se sobe como se desce logo a seguir por trilhos muito técnicos onde a dificuldades era extrema em alguns locais onde se subia com percentagens de inclinação muito elevadas. De vez em quando dava uma espreitadela para a minha esquerda e também para a minha frente, não para ver este ou aquele que ia à minha frente, mas para ver as lindíssimas paisagens que aquelas serras e arribas da Arrábida nos proporcionavam, daí perceber agora o plano de restrições que impuseram para defesa daquele local (embora aqui e ali não devessem ir tão longe nas suas regras como é o caso das actividades lúdicas dos pescadores a pé que estão proibidas).
Corri quase sempre isolado, aliás como gosto, e só a partir dos 17,5kms é que tive a companhia da Célia Azenha que durou até cerca dos 23kms, depois foi-se embora e bastou eu ter ficado a beber mais um copo de água para nunca mais a alcançar. Aos 26 kms descemos até ao areal que nos levaria até ao aldeamento da Praia do Meco, foram 3 kms bem duros na areia solta e seca (o mar estava com rebentação forte e não dava para descer até à areia molhada e mais dura para se poder correr melhor), o vento estava muito forte e foi nesta altura que caíram alguns pingos de água que tocada a vento pareciam pedaços de pedra que nos atingia, como se torna evidente que este pedaço de percurso foi feito a andar, porque não dava para mais.
No pódio com o  vencedor no meu escalão, José Guia
Aos29kms novo abastecimento e controlo electrónico de passagem, aí o Diez informa-me que agora o percurso é rápido e só na parte final e acesso ao Castelo é que as dificuldades pioram de novo, mas as minhas dificuldades começaram logo ali, não porque o percurso o fosse mas porque começo a sentir dores na perna onde tinha tido o problema anterior, começou na articulação do pé e depois foi subindo até se situar na canela (perónio), faltavam 20kms, como a dor foi subindo de intensidade mas lenta e gradualmente conforme os kms iam decorrendo deixei-me ir, nas descidas o sacrifício era maior mas suportável e dava para chegar, ia pensando eu. Aos 42kms atingimos a pedreira, e que pedreira, tanta vez que já fui a Sesimbra e desconhecia a existência de um monstro daqueles ali, por terra é pouco visível e como nunca me abeirei nem pelo ar nem pelo mar desconhecia a sua existência, por isso fiquei triste mal entrei naquele enorme buraco que ali criaram, de um lado e do outro nota-se a excelência da beleza da Serra e das arribas, no meio aquela tristeza a céu aberto de um manto de branco onde deveria estar o verde natural da vegetação colocada lá pela Natureza e que deveria estar interdita à vontade e voracidade humana.
E o meu prémio individual
Aos 48kms chego finalmente ao Castelo, também é a 1ª vez que passo por lá, pouco vejo pois já ia em estado deplorável, ali estava mais um abastecimento, o último, já tinha acabado a água do meu camalbak e depois daquela subida ao Castelo bem precisava, antes de lá chegar ainda passámos por algumas vivendas que ficavam no vale e ia observando a ver se via alguém a quem podesse pedir uma pouca de água, mas nem vivalma, também ali se percebe o recato das pessoas pois os dias de hoje estão dificeis e é natural este seu isolamento. No Castelo pouco vi, penso que nem ás ruínas passei, passei sim ao lado da Capela e logo desci para o trilho que me levaria até Sesimbra. Foi dolorosa esta descida, os joelhos e a perna condicionaram e muito aquela descida de perto de 2kms, em circunstâncias normais esta descida é espectacular, sempre pelo meio do arvoredo e em trilhos que é um regalo percorrer, contudo fi-los sempre em passo de corrida até chegar à estrada que liga o centro da Vila(?) àté à Lota.
Na t,shirt e caneca gravado a nossa odisseia de Sesimbra.
Com uma curta incursão de novo pela Praia chego à meta instalada no Hotel Sesimbra Spa ali mesmo em frente à bonita baía de Sesimbra.
À minha espera lá estava o grande Comando (Mário Lima) conforme prometera e que registou em fotos a minha chegada, a quem agradeço, e que servem para ilustrar esta minha crónica, pedindo a sua compreensão para o facto.
Para os 50,940kms registados no meu Garmin precisei de quase um dia de trabalho: 7,55,20h. Modestamente acho que mereci o investimento que realizei.
Agora espero recuperar nestes dias que se seguem para poder estar em Vale de Barris na próxima semana.
Fotos cedidas pelo Mário Lima



Classificação Ultra Trail

10 comentários:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Que bom Adelino!!! confesso que temia um bocado por si, temia que a lesão voltasse e não lhe permitisse usufruir dessa magnífica aventura!

Fico muito contente por o ler aqui, e saber que correu assim.

Beijinho e boa recuperação

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

E Adelino, estive a ver a sua prova no Garmin, e digo: o Adelino tem uma resistência espectacular!

Jorge Branco disse...

Mais uma prova magnifica e um relato que emociona!
Quem me dera ter coluna para me meter nessas andanças!

Anónimo disse...

Um regresso em grande, parabéns.
Abraço.
António Almeida

luis mota disse...

Grande Adelino.
Gostei de o ver a terminar.Boa prova para a semana.
Luís Mota

JOSÉ NARCISO disse...

Olá Joaquim!!
Formidável e um regresso em grande.
Cumprimentos
José Narciso

Mário Lima disse...

Olá Joaquim

Neste teu regresso teria que ali ficar nem que demorasses as tais dez horas que pensavas que poderias eventualmente fazer.

Fizeste em menos duas horas o que devido à lesão ainda emergente e aos poucos treinos efetuados é de enaltecer.

És uma referência para quem se lastima sempre e não tem o teu espírito de sacrifício para enfrentar os desafios de frente com coragem e abnegação.

Parabéns Pára e domingo lá estaremos em Vale de Barris.

Abraços!

Jose Xavier disse...

Olá Joaquim Adelino;

Isto é que foi andar por esses montes e paísagens lindas dessa região.

Muito bem, está de parabéns por ter conseguido mais um objectivo.

Um abraço amigo
dos xavier's

Vitor Veloso disse...

Joaquim,
Está feito!!
Parabéns pelo regresso e a concretização, num Trail nada facil !!
Lembro me como fosse hoje, a Geira foi um momento menos bom mas valeu pelo convívio!!
Grande Abc
VV

Hugo Adelino disse...

Parabéns pai! Estás de volta e fico contente por já te sentires melhor pois, a forma vem com o tempo! O teu prémio é lindo! Beijinhos!