segunda-feira, 26 de junho de 2017

Uma miragem sobre a Serra da Freita, o sonho e a realidade!

A magia da Freita continua tal como sempre a encontrei, com alguns retoques ela vai-se actualizando conforme os traçados escolhidos ano a ano pelos responsáveis que a modernizam. Não há planos seja de quem for que ali chegue e saiba o que o espera com a certeza que quando parte a batalha será ganha. Tantos sonhos que mais uma vez ficaram adiados para muitos, alguns deles profundos conhecedores de todos os meandros da Freita mas que a resistência física e mental não conseguiram vencer. Organizar uma prova destas requer um estudo permanente aliado ao conhecimento da Serra e adaptá-lo à resistência e capacidade humana, ora isto tem sido feito ao longo das 12 edições que a prova já leva. Pelas imensas capacidades que a Serra da Freita tem é de prever que continuem os testes à nossa capacidade física e resistência mental continuando a aumentar as dificuldades a cada ano que passa. É com o sonho de a vencer que as centenas de atletas partem à sua conquista sempre que se apresentam à partida, a boa disposição, a confiança que em si depositam, a boa preparação que trazem e o bom conhecimento que já têm da serra é motivo suficiente para um sentimento positivo para vencer e ultrapassar todas as dificuldades. Este é o sentimento de todos quando partem mas a realidade dura e crua para todos aparecerá lá muito mais para a frente quando a dureza e as dificuldades da prova começam a aparecer, (até para os melhores e mais bem preparados, que têm pretensões em a vencer). Para a maioria a grande machadada começa quando já não conseguem alimentar-se, são líquidos e mais líquidos que o próprio organismo de seguida começa também a rejeitar, o calor não sendo por aí além afecta também o discernimento, depois as dificuldades técnicas do percursos a acumular cada vez a partir da 2ª metade da prova desmoraliza qualquer um que por ali ande. Quem tem uma grande capacidade de resistência moral, aliado ao que vai resistindo de ordem física vai conseguindo levar a sua água ao moinho, aos outros não resta outro resultado do que ir resistindo até serem vencidos e procurar um refúgio para serem recuperados da serra e levados para o conforto do banho e aguardar nova oportunidade. Este é um relato e uma visão que se adapta perfeitamente a mim, parti e acabei a minha odisseia perto dos 40 kms de prova, (eram 65kms pela frente) um pouco antes de chegar à Lomba. Claro que as minhas condicionantes nada têm a ver com a dos outros atletas, a não ser a vontade de vencer e por isso voltei, arrastando-me sempre na cauda do grupo fui resistindo até quase ao limite, na descida (brutal) para a Lomba encontrei a estrada de alcatrão com destino à povoação, 1,5km para lá chegar e a desistência. Para ali chegar mais de 95% foi a andar e os restantes em passo de corrida muito lento. 12,30h foi o tempo decorrido desde a partida, tinha mais 14,30h para terminar mas o corpo e a mente não tinha mais nada para dar! Ela, a Freita vai continuar por lá, eu não sei se voltarei!

segunda-feira, 13 de março de 2017

3º Trail Cidade de Estremoz 12/3/2017

E à 3ª foi de vez, o Trail de Estremoz desta vez ficou marcada por mim no terreno, foram "apenas" 15 kms mas de grande satisfação, caminhando e correndo aos poucos os kms foram ficando para trás numa prova mais uma vez excelentemente bem organizada pelos amigos do Clube de Orientação do Alto Alentejo. Agradeço mais uma vez a forma simpática como fui recebido e obsequiado. 
15 kms em 2,34h foi o possível, ainda a contas com a extracção dos meniscos do joelho esquerdo e uma contractura nos gémeos da perna direita, para equilibrar como convém.
Para o ano regressarei, quem sabe...para subir uns furos na distância! 


domingo, 12 de março de 2017

Não voltaste, fomos ao teu encontro e levaste um pouco de nós todos. Deixaste-nos uma herança riquíssima que procuraremos salvaguardar durante o decorrer da

vida dos amigos que cá deixaste. A saudade já é imensa, um até sempre querida amiga.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Queremos-te de volta Analice!


A Analice corre para a eternidade, ela corre à procura do infinito, uma vida a correr sem olhar aos obstáculos que foi encontrando na sua frente, uma vida a lutar pelo dia de amanhã esperando a luz que a conduzisse pelo rumo que aspira para si e para os outros, uma vida a calcorrear vales e montanhas, estradas e desertos fazendo valer aí as diferenças de uma mulher guerreira que se afirma perante a coragem, o sacrifício e o exemplo, deixando a todos nós o caminho que abriu através da bondade, da simplicidade e da sua alegria.
Desbravou terrenos sobre as cinzas que a natureza lhe espalhou pela frente, tantas vezes as deixou para trás esperando que a natureza reponha o que ajudou a destruir. Também nós Analice esperamos que a mãe natureza saiba consagrar-te como uma das suas componentes e te dei-a a tranquilidade e a coragem para te trazer de novo para junto de nós!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O retorno desejado e começa um novo ano!

Está na altura de reavivar este moribundo blogue que desde a realização da Festa do Avante estava adormecido.
Relembro algumas actividades que entretanto fui fazendo, dentro das limitações físicas com que me vou defrontando, no sentido de poder voltar aos poucos à corrida e ás provas de trail de que tanto gosto.

TRAIL DAS BRUXAS EM BUCELAS EM 26 DE OUTUBRO DE 2016
Caminhada de 12 kms no tempo de 1, 55h


TRAIL AMIGOS DA MONTANHA EM 20 DE NOVEMBRO DE 2016
Trail na extensão de 19 kms com o tempo aproximado de 4 h


SÃO SILVESTRE PIRATA EM MONSANTO EM 16/12/2016
Treino/Convívio na extensão de 11 kms no tempo de +- 2 h.



BUCELAS, OCUPANDO O ESPAÇO DEIXADO LIVRE PELA NÃO REALIZAÇÃO DO TRAIL DE BUCELAS 2017
Treino/Convívio de Trail Caminhada no meu caso) na extensão de 9 kms com o tempo aproximado de 2 h



Segue-se Sicó na distância de 25 kms no próximo dia 26 de Fevereiro.