segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Maratona de Lisboa 2010, a minha 8ª


Isto de fazer maratonas não é contar de 1 a 42 porque cada km percorrido em cada uma tem sempre uma história diferente para contar.
Apanhado à chegada

Desta vez, na Maratona de Lisboa hoje realizada, associei-me a um grupo de amigos , onde estava o Parro, o Manuel Azevedo, o Manuel Fonseca e outros que agora não recordo para tentarmos um ritmo que nos permitisse entrar nas 4 horas de prova. Eu sabia e avisei logo que não contassem muito comigo porque ainda estou bastante fatigado das últimas provas que tenho feito, nomeadamente a Meia da Marinha Grande à escassos 3 dias. E assim foi, segui quase sempre na rectaguarda do grupo tendo algumas vezes andado mesmo na ponta do arame, embora nunca perdendo o contacto fui acompanhando sempre o grupo até por volta dos 14kms, aqui aparece um bando de Abutres comandados pelo Vitorino onde constava também o José Carlos Fernandes e o João Lamas que se junta a nós e seguimos em amena cavaqueira até à Rua (ou Avenida?) José Malhoa, aqui chegados os Abutres acharam que ali já não havia nada para se alimentarem começaram a esticar o guardanapo até que ele rompeu, eu em amena cavaqueira segui com o Vitorino e amigos sem me aperceber que me afastava do meu grupo. Ainda ouvi o Parro a dizer-me que me estavam a envolver mas segui na mesma, estávamos em plena subida para a mesquita Hindú e sentia-me muito bem.
Segui na companhia do Vitorino, já os outros Abutres tinham ficado também para trás, na Joaquim Augusto de Aguiar. Mas o Abutre Mor queria mais "sangue" e também eu acabei por ficar para trás mas via-se que ele se preocupava com os colegas e também comigo pois não raras vezes fazia uma pausa na corrida e olhava para ver se alguém o acompanhava. Acabou por seguir e fazer a sua prova, uma decisão acertadíssima.
Entretanto olho para trás e já não vejo a "minha" malta, estava sózinho e sem qualquer ponto de referência, decido seguir assim até chegar à Meia Maratona pois contava que o meu grupo conseguisse chegar até a mim por essa altura.
O Pára e o Comando aos 25kms

Lá chegado, com 1.59,05 (mais 5 segundos que o ano passado) sentia-me ainda muito bem e capaz de seguir naquele ritmo por mais algum tempo, volto a olhar para trás e não avisto a rapaziada, pensei que alguma coisa vinha a acontecer para que não conseguissem (ou não queriam) chegar até a mim. Á passagem na linha da Meia Maratona recebo um forte apoio de um grande amigo que ali estava em serviço, o Joaquim Pereira, que ao dizer-me que Meia já estava catapultou-me para a 2ª parte com redobrado vigor e querer.
Agora o vento estava fortíssimo mesmo de frente, principalmente na zona de Alcântara, mas até Algés (retorno) tivemos de o enfrentar quer para lá quer para cá (em algumas fazes).
Aos 24,5kms uma grande surpresa me aguardava, vejo o Grande Comando Mário Lima, que vinha a efectuar a sua prova da Meia Maratona, vir em minha direcção e o meu espanto é que ele abandona a sua marcha e volta para trás para me acompanhar  até ao final da prova, ainda tentei demovê-lo de tais propósitos mas aquilo já estava planeado no seu íntimo e tinha de o fazer. Para mim foi uma ajuda fantástica, ele respeitou sempre o meu andamento, nunca me pressionou para seguir mais depressa ou mais devagar, isso permitiu-me uma grande liberdade e também um grande à vontade pois sabia que ele estar ali ao meu lado eu poderia gerir um pouco melhor as energias que ainda tinha e que começavam a dar sinal já de alguma fadiga. Valeu-me também em alturas cruciais de maior ventania cobrindo também a minha passagem para não se tornar tão penosa, foi assim todo o caminho.
No retorno começo a ver os amigos que fizeram parte do grupo inicial, já muito espalhados e com evidentes dificuldades, os 2 Abutres vinham ali perto, mais atrás via-se já destacado o Manuel Fonseca, logo a seguir vinha o Parro a dizer-me que já tinha furado a roda e que ia limitar-se a chegar, o Manuel Azevedo estranhamente ainda vinha mais para trás, tal como a Célia Azenha (chegou a andar no nosso grupo) mas compreensivelmente era natural a sua posição, só quem não a conhece.
Um pouco antes dos 30 kms começo a ver a Analice ao longe e o Mário até perguntou se era mesmo ela, claro que é disse eu, e em menos de nada estávamos a alcançá-la. Aos 30 kms parámos por minha vontade, queria beber água com calma e tomar o único Gel que levei (esqueci-me de fornecer o cinturão que me acompanha sempre, e até os pequenos cantis me esqueci de levar), para isso caminhei com algum ritmo enquanto tratava da hidratação, repeti este ritual aos 35 e 40 kms sabendo que esta pequena pausa rapidamente seria recuperada logo a seguir. Entretanto o Manuel da Fonseca passa por mim logo a seguir aos 30kms, seguia numa passada muito certinha e económica, já tinha visto este mesmo filme no Porto mas lá tinha acontecido muito mais cedo. Aos 35kms, no Cais do Sodré, já levo um dedo do pé em mau estado e com algumas dores, nada digo ao Mário para não atrapalhar a nossa marcha, pois sabia que ele iria logo dizer para abrandar um pouco, mas não foi preciso dizê-lo pois a subida na Almirante Reis até Ao Arieiro tratou de se encarregar em moderar o andamento para conseguir fazer aquilo sempre em marcha de corrida. Os 40 kms estavam logo ali em plena Praça do Arieiro e com eles o abastecimento final que nos levou até ao Estádio 1º de Maio para em plena pista de Tartan concluir a 8ª Maratona que levo realizada (a 3ª este ano)
Aos 3,5kms na Gago Coutinho.

Quero agradecer aqui ao Mário Lima a extrema sensibilidade que teve em querer acompanhar-me, gesto que jamais irei esquecer, tendo tido também o cuidado de não voltar a passar pelos controlos que já tinha efectuado aquando da sua 1ª passagem.
Acabou por fazer 33kms no tempo de 2,41,33h, concluíndo a prova ainda com 28 participantes atrás de si.
Concluí a Maratona de Lisboa com a marca de 4,07,18h (4,07,50h oficial) para os 42,620kms (Garmin) (633 da Geral num total de 1107 finalistas, 18º Vet + 60 num total de 51) menos 6 minutos que há um ano em Lisboa e menos 16 minutos que há 1 mês no Porto. Vamos lá perceber isto!!!
Da Organização da prova nada tenho a apontar, segurança em todo o percurso da Maratona, bons e fartos abastecimentos, onde não faltou o Gel para quem o desejasse.
Um pormenor: Quando cheguei já o sumo tinha acabado, provavelmente daria geito, mas o mais certo é que se ouvesse eu se calhar não ligaria nenhuma, penso eu.
A todos os amigos que me cruzei o meu obrigado pelos incentivos que recebi e que muito me ajudaram a finalizar mais esta Maratona, com dificuldades é certo mas que me deu um enorme prazer em fazer.

Fotos de Luís Carlos e Fábio Pio
Classificções da Meia Maratona
Classificções da Estafeta

12 comentários:

Jorge Branco disse...

Grande prova e extraordinária essa atitude e grande amizade do Mário Lima!
Cada vez há menos homens com essa capacidade de solidariedade e entrega por isso o mundo está como está!
Sinto-me humildemente feliz por ter a amizade de dois homens com H grande como o são o “Para” e o “Comando”.
Forte abraço!

António Almeida disse...

Amigo Joaquim
parabéns pela oitava que fica marcada também por esse gesto do nosso grande amigo Mário.
Grande abraço.

José Xavier disse...

Olá Joaquim Adelino;

É como o vinho do Porto, "quanto mais velho melhor!"...um bom resultado e uma excelente participação, tendo em conta os resultados comparativos do Porto e de há um ano atráz em Lisboa.

A estratégia montada pelo seu "comando" teve um bom resultado e é algo que é de apreciar, porque o que foi importante foi a excelente participação e a amizade.

Eu cá vou na minha caminhada na 2a semana de preparação, e ainda faltam 18 semanas!!!

Um abraço amigo
dos Xavier's

Luis Parro disse...

Amigo Adelino,
A diferença foi que ontem foi obrigado a arrancar devagar, na nossa companhia, e quando o motor entrou em velocidade de cruzeiro...aí vai ele na asa do Abutre Vitorino...
Parabéns, pois esta é muito mais dificil que a do Porto e o meu Amigo Adelino sacou tempo, e deve ter sido dos poucos a fazer isso!!!!
Um abraço e Obrigado pela companhia nos 1ºs 15 Km's!!!!!

Tiago Silva disse...

Mais uma grande maratona, mas esta com uma lembrança emocional muito forte.Mais um vez o Para e o Comando completaram-se, com este grande gesto de amizade do Mário.
Parabéns aos dois e até uma próxima :)
Abraços

Fábio Pio Dias disse...

Parabéns Joaquim!

Mais uma... para acrescentar ao já brilhante curriculum!

Um abraço!

NK disse...

Joaquim,

Parabéns pelo belo relato e por mais uma chapa no cinto... :)

Abraço,

JOSÉ NARCISO disse...

Olá Joaquim!!!
Parabéns por mais uma Maratona concluida com exito!!!E já lá vão 8, excelente!!!
Continuação e boa recuperação amigo!!
José Narciso

Mário Lima disse...

Olá Joaquim

Que bela prova fizemos juntos.

Sempre a dar-lhe mesmo quando andávamos aquilo era só um pequeno intervalo e lá ias de novo. Não havia nem subida nem dor de pé que te demovesse de chegar ao fim.

Mais uma Maratona, belo registo e obrigado pelas tuas palavras.

Como no passado pelas mesmas picadas estamos juntos no presente nas mesmas estradas (ou quase, pois as tuas são muitas mais).

Abraços e Parabéns Joaquim. É um prazer enorme ir ali a teu lado.

.JOSÉ LOPES disse...

Olá Joaquim
Parabéns pela sua 8ª Maratona

Mais uma vez demonstrou uma grande capacidade física que é de enaltecer, com tantos km percorridos num período curto de tempo.
Desta vez com uma companhia agradável, durante 33km do amigo Mário que terá contribuído para amenizar o "sofrimento" .

Obrigado pela mensagem
com os cumps
J.Lopes

Vitor Veloso disse...

Olá Joaquim,
Parabéns pela 8ª Maratona.
Bonita dupla inseparável o Mário e um Bom amigo.
Boa recuperação
Vitor

Bruno Magnum disse...

Parabéns!
Parabéns pela 8ª e pela coragem e exemplo que é para todos nós.
Força e felicidades.
Abraço