segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Trail Noturno de Óbidos



A nova versão Dia e Noite do Trail Noturno de Óbidos veio melhorar e muito esta magnífica prova que tem de tudo para quem gosta de correr em cenários muito bonitos e em alguns casos espectaculares.
Foi com este espírito de curiosidade que eu e o meu genro Daniel nos fizemos à estrada até Óbidos, não sem antes eu mais uma vez confundir A1 com a A8 como melhor opção para lá chegar.
Quando lá cheguei (17h) já o F.Andrade e o C.Coelho se tinham aviado e aguardavam já a hora de partida, nós após uma curta pausa para conversa regressámos ao local onde tínhamos deixado a viatura, pelo meio encontrámos o José Xavier e a Família que vinham a chegar, ficámo-nos pelos cumprimentos pois ainda faltava fazer muito trabalho e o tempo disponível começava a escassear.
Para esta prova tive o cuidado de planear aquele que seria o mais leve, o cinto com duas botijas pequenas (menos de 10 dl cada, 4 gel e 3 barras e a máquina fotográfica que apenas fez peso pois nem uma foto tirei durante o percurso.
De regresso ao "Campo da Bola" lá bem no alto do Castelo onde iríamos chegar e também onde se iria dar a partida simbólica da prova deu para encontrar muitos amigos e conviver ali um pouco com todos. Alguns ainda a sentirem-se de mazelas da Prova Melides/Tróia, outros de desafios ainda maiores e de extrema dureza, mas com um sentido sempre alegre e despidos de algum vedetismo que por norma sempre aparece alguém. O Carlos Coelho dá nota de pretender fazer a prova sem forçar e manifesto o meu desejo de lhe fazer companhia.
Partimos dali depois de fazermos o habitual controlo de partida e de imediato dou nota que o meu Garmin não funciona, estranhei, estava sem bateria, tinha-o deixado a carregar toda a noite mas devia estar mal ligado, não pensei muito nisso pois como ia fazer a corrida acompanhado iria ter toda a informação na mesma.
Saímos pelas 19,30h +- em conjunto com os atletas que iam fazer a prova mais pequena (22kms) e por isso a confusão no início foi maior pois partiram perto de 300 atletas.
Como já conhecia parte do percurso na fase inicial parti com alguma prudência e sempre com o Carlos Coelho na mira, um pouco mais à frente e já na companhia da Célia Azenha subimos o morro em passo acelerado e conforme as forças permitiam, já no alto decido acompanhar a Célia na esperança que o Carlos conseguisse vir também o que veio a verificar-se, no entanto de vez em quando ele ficava e a dada altura ele informa-me que lhe doía um joelho, aconselhei-o a vir com calma e chegar ao fim sem mazelas, nesta altura nem 10kms tínhamos ainda percorrido. Decido acompanhar então a Célia até onde as forças me permitissem, estava-lhe grata pela ajuda que ela me tinha dado na parte final da UMA e estava na altura de lhe retribuir.
Toda a história do resto da prova tem a ver com a sua companhia, inicialmente íamos apenas os dois e depois aqui e ali tínhamos a companhia de outros amigos,ora vinham ora iam e faziam um poucode companhia, sabíamos que o ritmo ia nos limites e tinhamos um contra, a Célia começara um pouco antes a queixar-se de um joelho e por isso havia cuidados acrescidos, raramente eu passava pela frente para não desestabilizar o andamento e deixava-a marcar o passo de corrida que até era muito bom.
No abastecimento dos 18,5kms passámos com 1,57h, era muito bom pois o percurso também ajudava, ali eu já sentia algum cansaço nas pernas, o que era natural face à empreitada da semana anterior, mas a partir dali acabaram-se as facilidades, areia e Dunas até não mais acabar, conseguimos reunir ali um grupo mais numeroso ao longo das Dunas até chegar ao ponto mais a Sul ao longo do Mar onde se avistava Peniche mais ao longe, Aqui a entreajuda foi muito importante para encontrar o caminho certo que eram sinalizados por pequenos! refletores. O abastecimento sólido aparece aos 25kms eaproveito para tomar um gel pois estava a necessitar de renovar as energias e seguimos de imediato onde a dureza das subidas e das descidas iam causando mossa nas minhas já depaupuradas pernas e onde também já se fazia sentir algumas bolhas nos meus pés.
Durante uma parte do percurso tivemos a companhia da Analice, de vez em quando abalava mas nunca se afastava muito, até que em determinada altura ficou para trás e nunca mais conseguiu recolar.
Do Carlos nada sabia e só comentava com a Célia o desejo de ele nunca ficar sozinho no meio daquela escuridão e ter a fatalidade de se perder.
A Célia já só se preocupava comigo pois via que eu já ia preso por um cordel muito fino, mas nem por isso reduzimos o ritmo e fomos seguindo por sítios que por certo eram muito bonitos e até tive a sorte de encontrar um riacho que atravessava o estradão onde seguíamos que aproveitei para me refrescar um pouco.
Aos 35kms novo abastecimento, água com fartura, despejei 5 copos de água e mais um gel, aqui perdi o contacto com a Célia, ela e mais 2 amigos seguiram enquanto eu descansava um pouco e me hidratava melhor, quando retomei já levava cerca de 100m de atraso, tentei recolar mas não consegui e fui assim durante mais 3 kms, até que me apercebo de uma seta a indicar o caminho para a esquerda mas não vejo sequência, sigo atrás deles e aviso-os, dicidimos continuar , um pouco mais à frente conseguimos retomar o percurso certo e até final fomos sempre juntos não sabendo eu onde é fui arranjar forças para os acompanhar.
A subida ao Castelo foi das coisas mais dificeis mas também a mais desejada e foi com alegria imensa que cruzei aquela porta mítica a condizer com a meta final.
Para a Célia um agradecimento muito grande, a ajuda mútua foi essencial e no final obtive e retribuí um carinhoso beijinho de agradecimento que muito me sensibilizou.
O Daniel também ali estava à minha espera e ficou naturalmente satisfeito por me ver chegar pois prometera-lhe uma seca até ás 6h. de prova.
Ele também estava satisfeito com a sua prova, tinha feito 4,31h e sentira-se sempre bem, a exemplo do ano passado até parece que esta prova é mesmo à sua medida.
Para os 42 kms de prova gastei 5,22h.
Vou voltar em 2011, parabéns à Organização na esperança que em 2011 nas bancas (a meio e no final) esteja ainda a tão desejada melancia que eu e os que atrás de mim seguiam acabaram por quase nem a ver.
Segue-se... um repouso absoluto.

Fotos de Isabel e Xavier

Fotos Trail de Óbidos

16 comentários:

Jorge Branco disse...

Um PARA que NÃO PARA mesmo! Que grande vitalidade! PARABÉNS. Quem sabe um dia me meto numa dessas (se as “peças” não partirem de vez que eu ando sempre preso por arames ou pior por fita cola!).
Grande abraço.

elis disse...

parabéns, adelino!

que disposição!!!
e que talento para vencer desafios!
adorei seu relato!
sempre com muitos detalhes, que nos transportam para o cenário da prova!

fiquei com vontade de correr uma maratona assim, tão diferente pelo horário, e difícil pela diversidade de terreno!

parabéns!

Ricardo Baptista disse...

Parabéns Joaquim,
grande prova uma semana depois da UMA. Sempre aquela garra.
Abraço.

MPaiva disse...

Grande Joaquim,

Depois de uma saga verdadeiramente épica, eis que já o vemos a superar mais umd desafio de elevado grau de dificuldade! Muitos parabéns pela coragem e, mais uma vez, pelo fantástico espírito de companheirismo com que sempre encara estas provas.

abraço
MPaiva

ana paula pinto disse...

Grande Pára!

Parabéns, é pouco! Duplos parabéns, por todas as "empreitadas".


beijinhos

Fábio Pio Dias disse...

Olá amigo Joaquim,

Mais uma prova difícil, mas que para si é um superlativo relativo, tal é a facilidade que demonstra e supera os desafios.

Agora um abraço e até 29 de Agosto no Trail de Monsanto certo?

Mário Lima disse...

Segue-se... um repouso absoluto

Uffff, ó Pára, vais parar???

:)))


Pode haver alguns que, durante estes 8 meses, tenham feito provas com mais km que as tuas, mas em quantidade de provas deves ter o recorde.

Mais uma realizada. Preso por um cordel muito fino mas que exigir mais a quem uma semana depois de 43 km de areia em Melides vai realizar uma nocturna de 42 km?

Parabéns por mais uma prova superada e ao Daniel idem.

Que tenhas um bom descanso (sabes uma coisa Adelino? Vais ter descanso só se for de provas pois aos treininhos não vais dizer não, estão aí novos desafios à porta)

Abraços.

Fernando Andrade. disse...

Grande Adelino.
Esta é daquelas que "enchem o papo".
Ainda esperei um bocado, pois gostava de te ver chegar, mas comecei a estar cheio de frio e tive de mudar de ir roupa. Depois já não tive pernas para voltar a subir até lá acima e resolvi e para casa.
De qualquer forma fico contente por saber que controlaste bem o desafio e tiveste uma chegada apoteótica.
Parabéns por teres "conquistado o castelo".
Grande abraço.
FA

joaquim adelino disse...

Obrigado amigo Jorge, temos de fortalecer esses arames e só existe uma maneira, é começar por algum lado, diga qual a aventura e eu estarei lá a seu lado, que tal o Grande Lago no dia 3/10 ali juntinho ao Alqueva? Pense nisso, antes quero vê-lo no Avante, na corrida e depois lá dentro.
Abraço.

joaquim adelino disse...

Elis, experimente correr meio à tarde meio à noite e de certeza vai ficar aderente pela beleza dos cenários que se colocam aos nossos olhos, a Lagoa de Óbidos e o Sol posto são de encantar, daí o sacrifício de duas provas realizadas em apenas 6 dias com um grau de dificuldade muito elevado.
Oxalá consiga por aí conciliar os seus desejos e a realidade.
Um beijinho

Obrigado Ricardo, quando nos metemos nelas são para levar a sério, pelo menos em disciplina, já que a vertente competitiva à muito que não penso nela. Agora vou descansar um pouco.
Abraço

Grande amigo Paiva,é sempre um grande prazer ter a sua visita por aqui, em Novembro estarei aí no Porto para a Maratona e aproveito para matar saudades da rapaziada daí.
Em Óbidos fiz a corrida perfeita porque ia ao lado de uma grande Senhora Ultra Maratonista chamada Célia Azenha, para muitos pode ser uma desconhecida mas daqui a duas semanas ela vai estar no Mont Blanc para correr a distância de 167 kms em Montanha. Segui o lema: ajuda e serás ajudado.
Abraço.

amiga Paula, obrigado pela duplicação, nem sabe o que isso me faria falta ali no terreno quando começamos a enfrentar as primeiras dificuldades, se vamos em 2ª velocidade a tendência é sempre para reduzir e depois só existe mais uma para baixo, a partir dali é olhos na meta e cerrar os dentes, confiar que as reservas ainda nos consiga ajudar aos objectivos pré-defenidos.
Um beijinho e parabéns por ter enfrentado aquele desafio bem complicado.

Amigo Fábio, parece fácil, não é ? Ainda não perdi a esperança de te ver ali a meu lado, Sabes que somos nós que tornamos as coisas mais faceis ou mais difíceis, e os desafios inventaram-se para serem vencidos, vamos a isso?
Abraço e obrigado pelo convite, mas competições agora só o Avante.

Olá Mário, já andava perdido, não sabia quando terminava esta fase e quando começaria a próxima, esta pausa tem a ver com a transição, descanso e a integração plena nos Amigos do Vale do Silêncio que se processará a partir de Setembro, ontem fiz a última prova em representação do CCD.
Sim, farei uns treinitos curtos só para queimar calorias porque vou continuar a ter o Parro e o Coelho à perna e não me posso descuidar, para mau exemplo já basta o F.Andrade, conseguiu fugir-me e dificilmente vou conseguir apanhá-lo de novo.
A 21 e 22/8 vou para Tengará, estás convidado? Se não estás e estiveres disponível diz qualquer coisa.
Abraço.

Grande Fernando, de facto aquilo estava espectacular, embora exista sempre alguém que nunca está satisfeito e pouco ou nada contribua para que as coisas possam melhorar em edições futuras.
A Célia foi uma grande ajuda e desta vez nem a grande Analice, com muita pena minha, nos conseguiu acompanhar, mas enquanto durou sentia-me sempre como peixe na água ali ao lado daquelas duas grandes Ultramaratonistas. Foi um incentivo extra, de outra forma eu não conseguiria chegar dentro de uma marca razoável.
Parabéns pela tua prova.
Abraço.

joaquim adelino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
luis mota disse...

Olá Joaquim!
Um brilhante desempenho após uma época de muitos e bons resultados.
Foi um belo dia/madrugada que passamos.
Aproveito para dar à Susana os parabéns por mais um aniversário.
Agora aproveite o descanso e dê umas caminhadas que sabem muito bem.
Grande abraço,
Luís mota

Vitor Veloso disse...

Amigo Joaquim,
O Pára que não pára, mais uma para juntar ao vasto curriculum de maratonas, esta de montanha.
Esta seguida da UMA esta de parabéns, grande força de vontade, admiro por isso.
Agora segue-se tempo do merecido descanso.
Forte abraço
Ate breve

Anónimo disse...

Companheiro
uma semana depois da UMA fez uma prova muito boa, a meu ver denota uma excelente recuperação desde a UMA.
De qualquer modo há que descansar, bom descanso pois.
Grande abraço,
António

Luis Parro disse...

Grande Prova, Amigo Adelino!!!!
E Parabéns para o Daniel.
Eu só de pensar em correr até me canso...!!!!
Um abraço e até ao PORTO!!!!

João Paulo Meixedo disse...

um relato que me deixa com água na boca. Já de regresso, fui hoje treinar e cruzei-me, por acaso, com o meu amigo Paulo Rodrigues, com quem fiz a segunda parte do treino, e que me relatou a experiência dele em Óbidos.
Quem sabe para o ano ...
Um enorme abraço