segunda-feira, 1 de março de 2010

Terras de Sicó, uma corrida diferente.


Terras de Sicó, em Condeixa a Nova foi a 2ª experiência que tive em provas denominadas de Trails, a 1ª tinha sido no Tail Noturno de Óbidos realizada em 8 de Agosto de 2009. Por curiosidade nem faltou ali o Jorge Serrazina, um dos responsáveis da prova de Óbidas, com que a abençoar-me nesta 2ª participação em provas deste género.
Cheguei no Sábado, depois de termos ultrapassado um agressivo temporal ali bem perto quando circulávamos pela A1, como estávamos avisados que íamos passar por esta instabelidade seguíamos com a maior prudência e felizmente tanto nós como os outros viajantes conseguimos sair daquilo sem qualquer problema, o Elísio Costa estava ali comigo juntamente com o Mário Lima, os três contituíamos a equipa do "Pára&Comando" que irá servir de identificação ao longo do Ano em algumas provas que vamos estar envolvidos. Será um "empréstimo" do CCD de Loures a esta modesta equipa, sem pôr em causa a fedelidade que lhe nutrimos nem a nossa participação na maioria das provas do Torneio de Loures e outras onde estaremos colectivamente.
Ficámos numa Residêncial (previamente marcada pelo Costa) bem perto do local onde estava instalada toda a logística de apoio ao Trail "Serras" de Sicó, como eu e o Mário, contando com a compreensão do Costa, queríamos ver o Jogo Leixões-Benfica procurámos, logo que levantámos os dorsais, encontrar local para jantar e não foi difícil, tendo todo o grupo no final do mesmo ficado com a impressão que as gentes daquela bonita terra sabem receber os seus visitantes, tal a maneira como fomos simpaticamente tratados.
Na Residêncial, após terminar o desafio de futebol pelas 23 h. dicidimos iniciar de imediato o merecido descanso, dormindo. Mas como todos sabem isto não se decreta, acontece, cada um tinha a sua cama e o 1º que adormecesse saía-lhe a sorte grande, todos os que ali estavam gostam de coser feijões em panela de alta pressão, e um de nós, que não eu, ao fim de 5 minutos já fervilhava alto e bom som a boa nova do sucesso e bom funcionamento da sua panela. Os 2 restantes ficaram de vigilância as duas primeiras horas seguintes à espera que a cosedura terminasse, mas foi por pouco tempo, o feijão era rijo de mais e o nosso subconsciente acabou por ceder a espaços bem curtos a um pouco de sossego, ainda que só pelas 8h. da manhã de Domingo se deu por concluída aquela infindável forma de imitar a alta pressão em voz rouca (para dentro e para fora) sem descanso quando fomos abruptamente acordados pelo despertador e quando estávamos finalmente a ter um pouco de paz.
O pequeno almoço foi-nos servido numa excelente Pastelaria, ali mesmo em frente à Cãmara Municipal, e não perdi a oportunidade de atestar bem pois sabia que pelo menos durante 4 horas ia estar a água, laranjas e bananas e que o almoço só seria absorvido lá pelas 15 horas, se chegasse a tempo, claro.
No Local da partida foi tempo de encontrar os amigos, os actuais e os virtuais se fosse possível, muitas caras conhecidas, dos blogues de Atletismo e também de amigos com quem vou fortalecendo laços de amizade e que de uma forma ou de outra estão ligados ao Fórum Mundo da Corrida e respectiva Associação, dos quais destaco, sem desprimor seja por quem for, do Eduardo Santos (Administrador) a Margarida, Carlos Fonseca e o José Magro.
O dia estava bonito mas foi arrefecendo até à hora de partida, a ponto de me obrigar a vestir uma t-shirt de manga comprida personalizada para me proteger, existia também alguma ansiedade, não só pela noite má dormida mas também pelo desgaste que eu já vou acomulando, nomeadamente pela Maratona de Sevilha que tinha feito há 15 dias.
Até ali tinha corrido tudo lindamente, a organização (muito profissional, e sem salário) tinha tudo planeado na perfeição, da entrega dos dorsais ás recomendações sobre como as coisas iam decorrer e passando também pela atenção que o Eduardo Santos nos dispensou no Sábado quando lá chegámos, augurava um dia de Domingo bem passado ali naquelas terras, vales e montanhas na presença de centenas de amigos e apaixonados por estas aventuras saudáveis.
A prova, como já foi relatado por alguns amigos, foi espectacular em termos de percurso mostrando a beleza de um local completamente estranho para mim, mais de 99% do percurso foi feito por estradões e carreiros de terra batida e pedras, algumas das quais com alguma dimensão e escorregadias a requerer sempre a maior atenção possível. Apesar dos avisos dados antes da partida para a perigosidade da situação ouve um ou outro que assentaram o trazeiro no chão, todavia sem qualquer consequência física.
Louvar aqui o extraordinário apoio que tivemos durante o percurso, abastecimentos em pontos cruciais e em quantidade, cuja média encontrava-se entre os 4 e os 5 kms. Mesas bem recheadas de água, em garrafas e também dispostas em copos, laranjas, bananas, queijos, sumos em alternativa e muita, muita simpatia por parte dos colaboradores e amigos do Mundo da Corrida que estiveram envolvidos e puseram de pé esta belíssima competição. Decerto muitos outros e muitas organizações a nível local também estiveram envolvidos e sem eles seria bem mais difícil pôr este edefício de pé.
A minha prova foi aquilo que eu já esperava, penosa, e agravou-se este sentimento a partir da altura em que começámos a subir... 100 metros mais à frente do local da partida.
Ainda assim consegui correr até ao 1º abastecimento que estava um pouco antes dos 5kms, raramente percorremos terreno plano, o encanto deste tipo de provas está exactamente aqui, subimos, subimos e nunca imaginamos o que está para além do ponto mais visível, daí a cautela ter de estar sempre presente. Aquele pequeno "rebuçado" inicial depressa se diluiu e as grandes dificuldades começaram a aparecer, logo a partir do 1º abastecimento o trilho levou-nos dos 140m de altitude para os 331m em apenas 2,5kms, por mim foram feitos a andar mas acredito que os homens da frente tivessem conseguido fazer aquilo sempre em passo de corrida, no alto desta montanha descemos novamente à cota 230m para de seguida voltar a subir para os 400m num percurso naturalmente acidentado na distância de 5kms. Aqui já estávamos sensivelmente a meio da prova, a Otília tinha chegado ao pé de mim perto dos 10 kms e por ali se manteve, ás vezes à frente, outras mais atrás, passa também o Nuno Cabeças por mim e mete-se comigo, vai ali um pouco mas depressa segue o seu caminho, um pouco antes tinha perdido a companhia do Elísio Costa e depois também do Mário Lima, fiquei mais confortável, assim não tinha de ir de afogadilhos e a fazer uma coisa que sabia me iria prejudicar lá mais para a frente
É a partir dos 15 kms que começam as maiores dificuldades para mim, o sobe e desce não tem fim (excepção feita aos 100m finais mas que ainda estavam muito longe) e começo a ter problemas nos joelhos com as constantes descinas com um grau de inclinação muito elevado e também com o piso irregular aos quais os meus pés não se conseguiram adaptar (talvez os ténis que usava não fossem os mais adequados, um eterno problema). Aos 16.3kms volto a descer aos 290 m para logo voltar a subir até aos 4o2m de altitude em apenas 1.700m. A partir daqui todas as subidas com alguma inclinação eram feitas a andar e logo que surgisse terreno mais favorável eu aproveitava para correr mais um pouco pois ainda me ia sentindo bem, as descidas eram feitas muito lentamente pois os joelhos já estavam a fraquejar bastante. Entretanto a Otília tinha ficado para trás sem eu me aperceber e voltou a apanhar-me no abastecimento dos 20kms. A partir daqui não mais nos separámos, (penso que por gentileza dela, o que muito lhe agradeço) talvez por consideração (não precisava) por aquilo que partilhámos no Trail Nocturno da Lagoa de Óbitos o Ano passado.
Apesar das marcações estarem bem visíveis numa ou noutra situação se não tivesse a companhia da Otília eu ter-me-ia perdido pelo menos duas vezes, sei que ouve corredores que tiveram pequenos erros, um deles foi o Nuno, mas de certeza que foi uma pequena desatenção que provocou os enganos.
A partir dos 20kms descemos da cota 347m para os 203m para um percurso de 3kms, mais suave que anteriormente mas ainda assim fazia-o muito lentamente, a Otília descia bem e eu depois voltava a alcançá-la na subida seguinte, e foi assim até final percorrendo nesta altura as encostas das serras onde se podia observar já a aproximação ao ponto de partida em Condeixa a Nova.
Fizemos o tempo de 3,49,52h. para a distância de 30,760kms, à média de 7,28m por km.
Na chegada tive o grato prazer de conhecer o António Bento (O Tartaruga), uma promessa que que me tinha feito e que fez questão de concretizar agora.
Dada a falta de adaptação a estes terrenos, no final não só os joelhos se queixavam, os pés começaram também a ter câimbras com muita frequência e algo dolorosas, apenas o banho retemperador e a feijoada que nos foi servida conseguiu que este problema fosse minimizado e depois resolvido. Agora está tudo bem.
Domingo que vem vou estar também nos Trilhos de Almourol, são 35kms mas a otília disse-me que aquilo era um pouco mais suave, fingi simpaticamente que acreditei, eu fui tropa ali junto ao traçado da prova e conheço aqueles terrenos, mas uma coisa eu sei, não existem ali serras com uma altura de 400m e onde se tem de subir e descer varias vezes.
Espero que Sicó se mantenha no Calendário de provas, se possível com o mesmo traçado, desta vez se algo não correu bem a responsabilidade é só minha e nada tenho a apontar seja a quem for.

12 comentários:

Anónimo disse...

Olá Joaquim
parabéns pela prova e pelo desempenho dos outros companheiros do "Pára e Comando".
Pelo que diz a organização esteve ao nível que a ODMC já nos habituou.
Boa semana.
Grande abraço,
António Almeida

luis mota disse...

Olá Joaquim!
A estreia da equipa Pára e Comando em grande nível.
Estas são provas que vão conquistando cada vez mais adeptos.
Agora é recuperar que para a semana estão aí os trilhos do Almourol.
Uma boa semana para vós.
Luís Mota

JOSÉ NARCISO disse...

Olá Joaquim!!!
Só tenho a dar-lhe os meus parabéns!!!
Porque o resto já voçê deu provas e para si o céu é o limite!!!
Cumprimentos à familia.
José Narciso

josé disse...

Olá ,foi com muito gosto que vi e revi o amigo Joaquim e restantes companheiro do "pára e Comando". Fiquei contente de os ter visto numa prova onde tive em "serviço" ,desejando que fosse do máximo agrado de quem nela participasse.
Tá de parabéns, pois reconheço que a prova embora linda, tem algumas dificuldades, e tal como lhe disse ficou longe de ser o último atleta.
Gostei de lhes "lançar a corda " naquela dificil súbida perto das 23 kms .
Grande abraço e espero contar com a sua partipação na 2ª Edição da prova.
Zé MAgro

JOSÉ LOPES disse...

Olá amigo Joaquim
Parabéns
Essa dupla( Pára & Comando) irá dar que falar, desta vez em trilhos.
São como o vinho do Porto.

Com os cumps
J.lopes

Vitor Veloso disse...

Olá Joaquim,

Que magnifica descrição da prova efectuada em terras de Síco, parabéns pela participação e do convívio ocorrido.

Agora segue-se o tempo de descansar que Almourol já esta no horizonte.

Boa semana.
Ate domingo

Grande abraço

Vitor Veloso

BritoRunner disse...

olá Adelino

Agora é recuperar para poder desfrutar da paisagem no Almourol.

Quanto a não haver serras com 400 metros para subir e descer, não sei se o Adelino conhece esta celebre frase "olhe que não, olhe que não" se não existem as gente inventa-as...:)

Até Domingo
José Brito

Ricardo Baptista disse...

Grande Joaquim,
Agora é recuperar as forças para o Almourol.
E veja as sapatilhas com que corre, o problemas de adaptação que diz pode muito bem ser das sapatilhas.
Um abraço.
Queria dizer até domingo, mas infelizmente não posso...

Mário Lima disse...

Adelino

Para já o meu obrigado pelo facto de, para além do esforço despendido na prova, teres ainda a condução ao teu cuidado e sabemos bem que depois de um cansaço daqueles fazer tantos km's a conduzir não é pera doce.

Sobre a prova e a nossa participação está tudo dito, chegando tu ao ponto de colocares as cotas da prova o que dá a quem te lê a perspectiva exacta de quanto é difícil mas bem agradável estes Trail das Terras de Sicó.

Espero que recuperes bem das mazelas e domingo voltaremos de novo aos trilhos. É só começar a tomar-lhe o gosto e o Pára&Comando não para!

:)

Abraço

Fábio Pio Dias disse...

Olá amigo Adelino!

Epá! Esta dupla está a tornar-se bastante temível, estão imparáveis e a "detonar" as estradas e trilhos de Portugal.

Excelente relato emotivo desta prova.

E já que estão a ganhar o gosto por esta vertente, vejam se participam numa corrida de montanha /trilhos, que é fantástica e que iriam adorar, "Entre a Serra e o Mar"
Tomem a minha humilde sugestão em conta, que não se irão decepcionar.

O desejo uma rápida recuperação para os Trilhos de Almourol.Boa prova e um abraço!

Anónimo disse...

olá Joaquim
grato prazer me deu à chegada. longe estava, também, de imaginar que acabaria todo escavacado, mas com um sorriso redobrado por conhecer este ultra que não pára!
um forte abraço, bom descanso durante a semana, que no domingo lá nos encontramos.
ab - tartaruga

Anderson Consenzo disse...

Que bela aventura, Joaquim! Parabens pela nova equipe

Abraço