segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

São Silvestre de Lisboa


"Já Tratados" no final com a Susana

Com a S.Silvestre de Lisboa hoje disputada concluí a 42ª corrida este ano, faltando apenas uma, (S.Silvestre dos Olivais) para completar o calendário de provas de 2010. Pelo caminho ficaram (duas), A Freita e a Geira, ambas por desistência a revelar certamente ainda uma deficiente condição física para enfrentar tais desafios.
Este final de Mês de Dezembro tenho aproveitado para repousar um pouco e tenho escolhido provas pequenas até 10 kms para ganhar um pouco mais de pulmão e ao mesmo tempo para fazer uma pequena revisão à "máquina" já que o Consultor tem sido algo crítico em relação ao manobrador que o considera escessivo no carregamento que lhe está a dar, mas quem está no Convento é que sabe o que lá vai dentro, penso que a coisa mais ou menos controlada vai dar para ir continuando paulatinamente conforme a vontade e as necessidades.

O Daniel à passagem pelo Terreiro do Paço
Esta S.Silvestre de Lisboa, Edição 2010 esteve espectacular, na 3ª Edição ouve a necessidade de trazer a partida e chegada para o Terreiro do Paço já que a Praça do Rossio já não tinha capacidade para albergar tanta gente depois de se verificar o aumento extraordinário de participantes nesta corrida em relação aos anos anteriores.
Está já anunciado que a próxima S.Silvestre de Lisboa será a 31 de Dezembro de 2011, é certo que vai rivalizar com a S.Silvestre da Amadora, mas Lisboa já merecia uma prova assim, hoje gostei de tudo, o trajecto todo ele na Baixa Pombalina, muito público nas ruas (a maioria se calhar familiares dos participantes nas corridas) milhares de atletas formando do princípio ao fim um enorme cordão humano, noite fria mas perfeitamente suportável e percurso quase plano que permitiu à maioria dos atletas testar em condições a sua condição física actual.
O bonito local da chegada
Foi o que eu fiz, posicionei-me a cerca de 6 metros da linha dos Sub50´ e perto do Guia (porta bandeira dos 50´), levei uma "eternidade" para passar a linha de partida pois eram milhares os que estavam à minha frente, o meu Garmin foi acionado logo que pisei as passadeiras que conrolam e registam a passagem dos ckips de cada um, mas a confusão manteve-se ainda durante algum tempo até que a peneira começou a funcionar e os mais lentos foram ficando para trás, ainda assim só a partir do Cais do Sodré (perto dos 3 kms.) é que comecei a ter mais espaço para poder escolher a minha trajectória. Tinha dicidido "carregar bem" mas estava com receio de o organismo não corresponder, isto é, os pulmões e por arrasto tudo o resto, e por isso desde o início fui sempre seguindo "rapido" atrás daqueles "furões" que já têm muita prática a sair de trás para a frente e seguindo na "roda" dá para ir ziguezaguiando e assim não perder muito tempo.
Não faltava dorsais e apareceram todos
Na subida da Avenida da Liberdade (7º km) aconteceu a quebra já esperada, tive de reduzir o andamento, ou de outra forma não conseguiria chegar até à Rotunda do Marquês de Pombal, mas de imediato vejo partir o combóio que entretanto se tinha ali formado e que seguia o guia dos 50´, do mesmo modo vejo passar também a Otília com o seu passinho sempre certo e firme e com o seu sorriso sempre presente, ainda alimentei esperança de quando chegasse ao Marquês e aproveitando depois a descida recuperaria aquela distância que a cada metro não deixava de aumentar. Atrás de mim vinha muita rapaziada amiga, muitos deles iam incentivando, o Fábio, o Mário (Comando), muitos amigos do Vale do Silêncio e tantos outros, até a Isabel (pareceu-me) estava por ali algures na Av. da Liberdade. Eu como de costume não via ninguém, ouvia e levantava o braço, ia nos limites pois queria a partir do Marquês alcançar o Guia dos 50´ mas sabia que a tarefa não ia ser fácil, aquilo descia mas era para todos e os andamentos devem ter-se mantido iguais pois nunca mais consegui lá chegar.
Foi espectacular a chegada com aquele bonito cenário que prepararam para nos receber, (ver foto).
Registei no meu Garmin a distância de 10,170kms. Do mesmo modo gastei o tempo de 51,39 minutos para percorrer aquela distância.
Classificações

domingo, 19 de dezembro de 2010

Grande Prémio de Natal, Lisboa.

Descendo a Avenida da Liberdade
Falhada a deslocação a Sevilha programada para ontem e onde hoje iria participar na Meia Maratona, aproveitei e participei hoje em Lisboa no G.P. de Natal na distância aproximada de 9 kms.
Nesta fase e até à Maratona de Sevilha  (13/2) vou contentar-me em fazer provas de distâncias curtas no sentido de fazer alguma recuperação para o exigente Calendário que vem aí a seguir ao dia 22 do mês de Fevereiro. (ver ali a barra do lado dirito, uff)
Há uns anos que já não fazia esta prova de Lisboa, ainda por cima tinha assistido o ano passado áquele bloqueio na chegada dos atletas que chegou a provocar filas antes de cortar a meta com cerca de 150 metros, situação que provocou o desagrado daqueles que foram atingidos.
Pensava-se que este ano a prova fosse duramente penalizada por esse e outros aspectos mas "salvou-se" e este ano teve uma forte adesão, a roçar quase o milhar de participantes.
Temia-se no início que a destribuição dos Chips no local de partida desse caldeirada, mas não, aquilo estava bem feito e muito prático, facilitou também o bom hábito dos atletas chegarem cedo ao local de partida e assim permitir uma fácil destribuição e escoamento daquele meio de controlo. (Ainda não percebi porque é que não deram o Chip juntamente com os dorsaís destribuídos na véspera da prova, pode ser que ainda me esclareçam).
A minha prova foi bastante penosa no início, sem ritmo,  pesadão, com algumas dores musculares e um joelho já a dar de si. Até aqueci um pouco antes da prova mas nem assim foi suficiente para que isto encarreirasse como deve ser, e quando saímos do Saldanha mantive-me com todas as cautelas para evitar algum mal maior. No Campo Pequeno já me sentia mais solto e com outra disposição impondo então um ritmo melhor já que o circuito, permitia que, em caso de algum desgaste se podia fazer alguma recuperação em zonas planas durante a maior parte do percurso.
No meu pensamento inicial estavam os 50 minutos, mas rapidamente esqueci isso pois estava a correr a um ritmo muito superior do que sopunha ser capaz, por razões óbvias, de tal forma que mal me descuidei já estava a descer a Avenida da Liberdade, (ainda à pouco estava a passar em frente da Churrasqueira do Campo Grande), tendo aproveitado a descida para consolidar um melhor ritmo que de há muito tem andado arredado da minha prática da corrida.
A cortar a meta com uma ajudinha
Á chegada aos Restauradores fiquei surpreso, pensava que tinha de ir dar a volta ao empedrado da Praça do Rossio,  de repente vejo ali a meta , não é que não ficasse satisfeito, mas assim a prova fica muito mais curtinha e não havia necessidade, bastava-nos apenas meia estrada e não chegávamos a prejudicar o trânsito.
Para os 8,750kms do percurso gastei das minhas reservas 43,54 minutos noMeu Garmin)!!! (oficial, 44,15 minutos).
Gostei do comportamento de todos os elementos da minha equipa, parece-me que ficaram todos à minha frente, (o Míster teve a amabilidade de me empurrar para eu ficar à sua frente), gostei das marcas que obtiveram, alguns deles bem abaixo dos 28 m.
Gostei também do abastecimento que deram aos 5 kms, penso que não era necessário até pelo frio que estava, de lamentar mais uma vez a falta de civismo de muita gente que continua a atirar as garrafas de plástico para o chão depois de se hidratarem, desta vez nem se podem desculpar pois havia contentores com abundância e espalhados por uma distância de mais de 200 metros.
Também não percebi aquele ziguezaguear no funil após o final da prova, a ideia podia ser positiva mas só até determinado momento, pois logo que aquele labirinto encheu cá atrás a molhada continuou, felizmente que este ano todos puderam cortar a meta a correr, o que se saúda.


A.M.M.A. fotos

domingo, 12 de dezembro de 2010

Corrida pela Saúde, Caldas da Rainha


Que grande e boa companhia, com a simpática
Madalena Carriço
ali a meu lado

Com uma prova tipo S.Silvestre antecipada, as Caldas da Rainha surpreendeu os 182 atletas que se apresentaram para correr os anunciados 10 kms de competição.
Surpreendeu por vários motivos, pela positiva e pela negativa.  Pela positiva por ser a 1ª edição e pelas causas que abraçou em favor do apoio à cura da doença, nomeadamente a Leucemia, depois pela opção em fazer disputar a prova num circuito de 3 voltas pelo Centro da Cidade para espanto de grande quantidade pessoas que áquela hora passeavam pelas bonitas ruas engalanadas com motivos das festas de Natal, pelo fecho total à circulação automóvel nos percursos por onde era efectuada a corrida, isto é, o Centro da Cidade esteve totalmente à disposição dos moradores e visitantes entre as 6 e as 21h. e ainda pelo convívio final com oferta de um jantar de "príncepes" no Hotel Caldas Internacional onde não faltou nada.
De negativo saliento poucos pormenores, mas importantes, devido à causa abraçada pela Organização, os prémios monetários (a  rondar os 500 euros) para os primeiros e iam baixando conforme a classificação de cada um, bem poderiam ser somados ao montante a atribuir ás instituições que lutam contra a doença, bem sabemos que na lógica da Organização o estímulo monetário serve para atrair um leque de bons atletas e por arrastamento a massa anónima dos corredores do pelotão, é um pensamento positivo mas todos sabemos que isso não funciona assim, garantidamente esta prova tem um grande futuro se for essa a vontade dos responsáveis que a organizaram e terá no futuro muito maior participação se lhe retirarem o estímulo monetário para premiar apenas uma ou duas dúzias de atletas em desfavor da grande massa de atletas que ali se desloca pela causa e e pelo carinho em que são envolvidos pela gentes das Caldas. Para quem chegou mais tarde ás Caldas (como eu) andou um bocado ali à nora, isto é, ás voltas pois para quem conhece mal aquilo foi difícil encontrar o local da partida, ainda por cima o local de chegada da prova era em sítio diferente, era aqui que estavam os dorsais e o tempo já era pouco para o início da Corrida. Mas tudo se compôs e ainda deu para fazer um pequeno aquecimento na companhia do Daniel e outros amigos conhecidos que por ali estavam.
3 voltas ao circuito, não é muito do meu agrado mas a noite/fim de tarde estava agradável sem vento nem chuva, comecei logo a fazer contas e com os craques que ali estavam sabia que antes de completar volta e meia já estava a ser ultrapassado, logo à partida tive de seguir mais rápido do que queria senão ficava encostado à ambulância mas logo passaram outros amigos da montanha que por ali estavam também a chamarem-me a atenção que aquilo era plano e o nosso ritmo tem de ser mais moderado, e tinham razão pois dali a pouco os pulmões já tinham dificuldade em responder ao que lhe estava a pedir. O percurso tem subidas manhosas, nomeadamente junto ao Jardim de El-Rei e de acesso à meta mas diga-se em abono da verdade que também tinha zonas de boa recuperação, o problema é que eu não sei como é que se recupera durante uma prova de 10 kms, aquilo é sempre a dar e se queremos dar alguma dignidade à nossa corrida não nos podemos descuidar.
Concluí os 10,320 kms com a marca de 54,07 minutos (meu Garmin) tendo-me a Organização atribuído a simpática marca de 53,59 minutos.
De salientar que o Daniel fez a boa marca de 44,20 minutos, que juntamente com Paulo Portugal formou comigo a equipa dos Amigos do Vale do Silêncio nesta prova. No final fomos para o Restaurante do Hotel Internacional das Caldas onde o convívio durante o Jantar foi extraordinário, com o José Magro e com um simpático trio de Ultras, Jorge Serrazina, Célia Azenha e Glória Serrazina, histórias e mais histórias de tantas aventuras, eu passaria ali a noite inteira a ouvi-los. A par disto a satisfação por estar ali e desfrutar deste excelente jantar, coisa única a que nunca assisti, bem se queixa um amigo nosso que a sua companheira (que não corre) teve de pagar 12,50€ por aquela refeição (lembrar que a inscrição custou a cada um 10€).
Bem sei que alguns bons pratistas da nossa praça ao lerem isto vão dizer (por não saberem!!!)que perderam uma boa oportunidade de se banquetear, mas sempre direi que para o Ano há mais, só o que é preciso é que se deixem de andar um pouco distraídos...!
Festas felizes para todos.
Classificações aqui

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Maratona de Lisboa 2010, a minha 8ª


Isto de fazer maratonas não é contar de 1 a 42 porque cada km percorrido em cada uma tem sempre uma história diferente para contar.
Apanhado à chegada

Desta vez, na Maratona de Lisboa hoje realizada, associei-me a um grupo de amigos , onde estava o Parro, o Manuel Azevedo, o Manuel Fonseca e outros que agora não recordo para tentarmos um ritmo que nos permitisse entrar nas 4 horas de prova. Eu sabia e avisei logo que não contassem muito comigo porque ainda estou bastante fatigado das últimas provas que tenho feito, nomeadamente a Meia da Marinha Grande à escassos 3 dias. E assim foi, segui quase sempre na rectaguarda do grupo tendo algumas vezes andado mesmo na ponta do arame, embora nunca perdendo o contacto fui acompanhando sempre o grupo até por volta dos 14kms, aqui aparece um bando de Abutres comandados pelo Vitorino onde constava também o José Carlos Fernandes e o João Lamas que se junta a nós e seguimos em amena cavaqueira até à Rua (ou Avenida?) José Malhoa, aqui chegados os Abutres acharam que ali já não havia nada para se alimentarem começaram a esticar o guardanapo até que ele rompeu, eu em amena cavaqueira segui com o Vitorino e amigos sem me aperceber que me afastava do meu grupo. Ainda ouvi o Parro a dizer-me que me estavam a envolver mas segui na mesma, estávamos em plena subida para a mesquita Hindú e sentia-me muito bem.
Segui na companhia do Vitorino, já os outros Abutres tinham ficado também para trás, na Joaquim Augusto de Aguiar. Mas o Abutre Mor queria mais "sangue" e também eu acabei por ficar para trás mas via-se que ele se preocupava com os colegas e também comigo pois não raras vezes fazia uma pausa na corrida e olhava para ver se alguém o acompanhava. Acabou por seguir e fazer a sua prova, uma decisão acertadíssima.
Entretanto olho para trás e já não vejo a "minha" malta, estava sózinho e sem qualquer ponto de referência, decido seguir assim até chegar à Meia Maratona pois contava que o meu grupo conseguisse chegar até a mim por essa altura.
O Pára e o Comando aos 25kms

Lá chegado, com 1.59,05 (mais 5 segundos que o ano passado) sentia-me ainda muito bem e capaz de seguir naquele ritmo por mais algum tempo, volto a olhar para trás e não avisto a rapaziada, pensei que alguma coisa vinha a acontecer para que não conseguissem (ou não queriam) chegar até a mim. Á passagem na linha da Meia Maratona recebo um forte apoio de um grande amigo que ali estava em serviço, o Joaquim Pereira, que ao dizer-me que Meia já estava catapultou-me para a 2ª parte com redobrado vigor e querer.
Agora o vento estava fortíssimo mesmo de frente, principalmente na zona de Alcântara, mas até Algés (retorno) tivemos de o enfrentar quer para lá quer para cá (em algumas fazes).
Aos 24,5kms uma grande surpresa me aguardava, vejo o Grande Comando Mário Lima, que vinha a efectuar a sua prova da Meia Maratona, vir em minha direcção e o meu espanto é que ele abandona a sua marcha e volta para trás para me acompanhar  até ao final da prova, ainda tentei demovê-lo de tais propósitos mas aquilo já estava planeado no seu íntimo e tinha de o fazer. Para mim foi uma ajuda fantástica, ele respeitou sempre o meu andamento, nunca me pressionou para seguir mais depressa ou mais devagar, isso permitiu-me uma grande liberdade e também um grande à vontade pois sabia que ele estar ali ao meu lado eu poderia gerir um pouco melhor as energias que ainda tinha e que começavam a dar sinal já de alguma fadiga. Valeu-me também em alturas cruciais de maior ventania cobrindo também a minha passagem para não se tornar tão penosa, foi assim todo o caminho.
No retorno começo a ver os amigos que fizeram parte do grupo inicial, já muito espalhados e com evidentes dificuldades, os 2 Abutres vinham ali perto, mais atrás via-se já destacado o Manuel Fonseca, logo a seguir vinha o Parro a dizer-me que já tinha furado a roda e que ia limitar-se a chegar, o Manuel Azevedo estranhamente ainda vinha mais para trás, tal como a Célia Azenha (chegou a andar no nosso grupo) mas compreensivelmente era natural a sua posição, só quem não a conhece.
Um pouco antes dos 30 kms começo a ver a Analice ao longe e o Mário até perguntou se era mesmo ela, claro que é disse eu, e em menos de nada estávamos a alcançá-la. Aos 30 kms parámos por minha vontade, queria beber água com calma e tomar o único Gel que levei (esqueci-me de fornecer o cinturão que me acompanha sempre, e até os pequenos cantis me esqueci de levar), para isso caminhei com algum ritmo enquanto tratava da hidratação, repeti este ritual aos 35 e 40 kms sabendo que esta pequena pausa rapidamente seria recuperada logo a seguir. Entretanto o Manuel da Fonseca passa por mim logo a seguir aos 30kms, seguia numa passada muito certinha e económica, já tinha visto este mesmo filme no Porto mas lá tinha acontecido muito mais cedo. Aos 35kms, no Cais do Sodré, já levo um dedo do pé em mau estado e com algumas dores, nada digo ao Mário para não atrapalhar a nossa marcha, pois sabia que ele iria logo dizer para abrandar um pouco, mas não foi preciso dizê-lo pois a subida na Almirante Reis até Ao Arieiro tratou de se encarregar em moderar o andamento para conseguir fazer aquilo sempre em marcha de corrida. Os 40 kms estavam logo ali em plena Praça do Arieiro e com eles o abastecimento final que nos levou até ao Estádio 1º de Maio para em plena pista de Tartan concluir a 8ª Maratona que levo realizada (a 3ª este ano)
Aos 3,5kms na Gago Coutinho.

Quero agradecer aqui ao Mário Lima a extrema sensibilidade que teve em querer acompanhar-me, gesto que jamais irei esquecer, tendo tido também o cuidado de não voltar a passar pelos controlos que já tinha efectuado aquando da sua 1ª passagem.
Acabou por fazer 33kms no tempo de 2,41,33h, concluíndo a prova ainda com 28 participantes atrás de si.
Concluí a Maratona de Lisboa com a marca de 4,07,18h (4,07,50h oficial) para os 42,620kms (Garmin) (633 da Geral num total de 1107 finalistas, 18º Vet + 60 num total de 51) menos 6 minutos que há um ano em Lisboa e menos 16 minutos que há 1 mês no Porto. Vamos lá perceber isto!!!
Da Organização da prova nada tenho a apontar, segurança em todo o percurso da Maratona, bons e fartos abastecimentos, onde não faltou o Gel para quem o desejasse.
Um pormenor: Quando cheguei já o sumo tinha acabado, provavelmente daria geito, mas o mais certo é que se ouvesse eu se calhar não ligaria nenhuma, penso eu.
A todos os amigos que me cruzei o meu obrigado pelos incentivos que recebi e que muito me ajudaram a finalizar mais esta Maratona, com dificuldades é certo mas que me deu um enorme prazer em fazer.

Fotos de Luís Carlos e Fábio Pio
Classificções da Meia Maratona
Classificções da Estafeta

sábado, 4 de dezembro de 2010

2009, RECORDAR A MARATONA DE LISBOA

39 kms, Rotunda de Chelas (foto de Esmeraldo Carreira)
Na véspera de realizar mais uma Maratona de Lisboa (a 5ª) visitei a minha Odisseia de 2009 relatada na altura para este meu blogue. Achei interessante e a exemplo de outros amigos dicidi trazê-lo aqui novamente, mais como auto-motivação do que outra coisa pois todos sabemos que não existem duas maratonas iguais, mesmo que o cenário seja o mesmo, o que não é o caso deste ano. Ainda assim penso que aprendemos sempre alguma coisa recordando aquilo que então se passou, como aprendemos sempre conforme a experiência se for acumulando ao longo de várias participações em maratonas.
Porque vão estar muitos amigos em mais uma edição da Maratona de Lisboa, envio a todos votos de uma excelente prova e que todos possam desfrutar de uma boa Corrida.

MARATONA DE LISBOA 2009
Maratona de Lisboa, há sempre uma história para contar, esta é a minha.

No dia da Maratona bem cedo precebi que as coisas não iriam ser fáceis, coisa que eu já esperava, desde a Maratona do Porto no dia 8/11/09 que não mais fiz qualquer treino longo com vista à Maratona de Lisboa, limitei-me a fazer a Meia Maratona da Nazaré, os 16,5kms da Mendiga e a Caminhada de 11kms da Serra de Sintra e depois alguns treinos sem grande disciplina durante estas semanas, por isso sabia que a Maratona de Lisboa iria ser um osso duro de roer, não só por não ter merecido uma preparação adequada mas porque eu conhecia demasiado bem o traçado da prova e por isso encontrava-me um pouco ansioso.

Quando cheguei ao Estádio 1º de Maio faltava ainda 1,30h para o início da prova, tempo suficiente para a habitual fase social onde disponibilizamos algum tempo para conviver um pouco com os amigos, até porque as oportunidades não são muitas. Lá estava o Luís Parro, não me perdeu a pinta desde a Mendiga, o M. Azevedo, J. Magro. M. Lima, Fernando Andrade, vai faltar-me algum, e conheci ainda o Joaquim Ferreira e o Pedro Ferreira.

A minha equipa estava ali em peso, mas só 2 elementos é que iriam fazer a Maratona, eu e o Elísio Costa, o Costa que já andava afastado desta distância desde a Maratona do Portode 2008.De tal forma estava distraído que quando me apercebo já só faltava meia hora para o início da corrida. Já na viatura optei por calçar os ténis com que fiz a Maratona do Porto (já velhos e rôtos) que me fizeram sentir sempre muito bem durante toda a corrida, completada a tarefa sempre trabalhosa de proteger algumas zonas mais sensíveis e devidamente equipado vou para a zona de partida, ainda vou a meio do caminho e verifico que me falta ainda o dorsal, então voltei ao carro e resolvi o problema e corro para o local de partida, mas após os primeiros passos de corrida dou conta que ainda tenho os óculos colocados, volto novamente para trás, as coisas não estavam mesmo a correr bem. À entrada do Estádio (a partida era em plena pista) ainda tive tempo de me despedir da minha equipa que aguardava a hora de participarem na Meia Maratona.

O Costa logo no início informou-me que me iria acompanhar até por volta da Meia Maratona, de certa forma fiquei mais tranquilo pois sabia que a experiência do Costa me ajudaria a controlar a corrida para evitar os excessos logo no início e que me iriam sair caros no final da prova.

Mas desde logo no início verifiquei que as coisas iriam ser muito difíceis, sem ter feito qualquer aquecimento no início antes do início sentia-me muito preso de movimentos e nem mesmo a descida da Av. Gago Coutinho serviu para melhorar as coisas, e a bem da verdade a subida para o Arieiro veio numa boa altura pois permitiu-me que eu encontrasse o ritmo e o esforço certo que eu vinha a procurar, e foi assim que segui até chegar ao início da difícil subida do Alto dos Moínhos onde estava assinalada a passagem dos 10kms, assinalava 57m. Nesta altura o atleta que levava o sinalizador do ritmo das 4 h. ia ali a cerca de 300 metros e nem tentei aproximar-me pois sabia que aquilo não era andamento para mim. Um pouco mais à frente o Costa começa a dizer-me que o andamento vai mais rápido do que devia, era natural porque um pouco antes tinha avistado logo ali à frente o Luís Parro e quis chegar até lá e foi o que fiz , pois já seria um grupo maior e a companhia era de todo aconselhável, mas foi sol de pouca dura, cedo percebi que aquele andamento era arriscado se dicidisse ir ali por muito tempo, optei por ficar com um andamento mais confortável, sempre na companhia do Costa.

Nesta altura começavam os meus problemas com os meus ténis, ao contrário do Porto esta Maratona de Lisboa é um constante sobe e desce e onde a fricção é uma constante e os dedos dos pés são os que mais sofrem e já só desejava chegar à baixa lisboeta onde o terreno já seria plano e as coisas iriam melhorar, pensava eu.

Passei à Meia Maratona com 1,59h (mais 3m do que no Porto) ainda me sentia bem, o pior foi que de seguida encontrámos o vento pela frente assim que entrámos na Av. 24 de Julho, foi nesta altura que perdi o meu companheiro de corrido, como estava previsto ele abalou à procura de uma melhor marca que pensava que estaria ao seu alcance, entretanto eu fui mantendo o mesmo andamento, 6m por km, após passar pelo Viaduto de Alcântara cruzo-me pelo António Almeida, e que bem que ele vinha, pois o sinalizador das 3,30h ainda vinha bem lá para trás, e eu já nem o das 4h conseguia ver, notava-se que eu já ia perdendo vigor e os ténis já pressionavam em demasia os meus martirizados pés, mas a Maratona é isto mesmo, espírito combativo e de sacrifício e quando a mentalização está virada para o objectivo que é a chegada não existe "nada" que o possa impedir.

Um pouco antes de Alcantara cruzei-me com muitos amigos que participavam na Meia Maratona e já estavam de regresso de Belém, o Vitor, o F.Avelino, o Fernando (Mister) o Orlando Duarte, o Tiago, o Luís e toda a equipa do CCd de Loures e outros que agora não me lembro, sabe sempre bem naquela altura um pouco de ânimo. Quando virei aos 27kms o Costa já ia com mais de 200 metros à minha frente, achei pouco para aquilo que ele pretendia mas ainda faltava muitos kms até final,

Aos 30 kms ainda passei com 2,58h (soube depois, já o Luís Mota tinha terminado), foi ali que parei a 1ª vez, só o tempo suficiente para beber água, comer um pedaço de laranja e tomar um gel que levava comigo, considerando as dificuldades que já sentia ao nível dos pés, tracei como objectivo fazer uma pequena paragem a cada 5 kms e onde ouvesse abastecimentos, sabia que o tempo perdido seria rapidamente recuperado logo a seguir, o pior era mesmo os pés, com as dores que sentia eu já imaginava o dedo grande do pé esquerdo com o dobro do tamanho e a sola do pé direito descolada do seu habitat natural, mas não era aquilo que me iria fazer parar.

Chego entretanto ao Terreiro do Paço e vejo o meu filho Hugo aos saltos de satisfação por me ver, na sua companhia estava o Tozé, velho amigo, que não perderam oportunidade de correr um pouco ao meu lado até se cansarem, ao fim de 100m!. Por volta dos 34kms chego-me de novo ao Luís Parro, pareceu-me com algumas dificuldades, ou talvez não, mas ia acompanhado e em boa cavaqueira, de lá saltou o Manuel Azevedo e fez-me companhia, por pouco tempo pois o seu andamento é superior ao meu. Logo a seguir estão os 35kms e foi aí que me "passei", a àgua tinha esgotado e não havia mais, Todos sabem que naquela zona e em qualquer Maratona a água é um elemento fundamental, tanto mais que se trata de uma zona crítica, e é essencial até para a saúde dos atletas. Uma amiga da organização simpaticamente ofereceu-me uma bebida em alternativa e sem açucar, dizia ela, mas água é água e é insubstituível.

Uma ocorrência que pode até arruinar o prestígio de uma grande prova como é a Maratona de Lisboa que arrasta centenas e centenas de estrangeiros e muitos deles ainda vinham lá para trás, uma distração difícil de perceber.

Aos 37,5kms começa a subida final que me irá levar até aos 40kms, um pouco antes passei pelo M.Azevedo pois sempre que aparecia uma dificuldade maior optava por descansar um pouco, andando. Os 40kms foram atingidos com 3,56h de prova, apesar de tudo sempre regular, aproveitando esta altura para o último abastecimento, ali havia água com fartura e deu para beber logo duas garrafas de seguida, mais um gel e laranja e estava pronto para enfrentar os 2 últimos kms e uns pózinhos. Nesta altura já me vou habituando a soportar as dores nos pés pois aproximava-se o final da prova e isso era mais interessante, mal cheguei ao Alto da Bela Vista logo a seguir ao viaduto do Metro (40,400kms) encontro um colega maratonista no chão a contorcer-se com dores, olho e sigo dando uma forcinha para ele, já antes tinha observado outras situações quase idênticas mas que estavam controladas, mas aquele caso mordeu-me a consciência e já a 30 metros voltei para trás e ajudei o homem, notei logo que eram os gémeos, levantei-lhe as pernas pressionando a parte da frente dos dois pés e a coisa estbelizou, dificil foi entendê-lo pois tratava-se um italiano e a comunicação era difícil, tentei ajudá-lo a pôr-se de pé, em vão, os gémeos voltaram a agarrar e voltei a fazer os mesmos procedimento com bons resultados, depois aconselhei-o a manter-se assim algum tempo e tentar chegar à meta com calma e devagar, não sei se me entendeu, pelo menos nem um grácias ouvi. Depois segui, estranhamente mais motivado e com as forças renovadas, tanto que voltei a apanhar o nosso conhecido M.Azevedo em plena subida final, que ao pressentir-me de novo ali arrancou para a meta cheio de força e energia.

A entrada no Estádio foi um momento fantástico, para a maioria das pessoas que ali estavam era mais um que chegava depois de o 1º ter chegado quase há duas horas, mas para mim era muito gratificante, era a 6ª vez que realizava esta proeza e que sonhar é coisa que também encaixa bem nos idosos. Terminei com 4,13,25h.

À espera estavam tantos amigos, lembrei-me dos meus "2 bombeiros" que se estivessem ali estavam tão felizes quanto eu, o Lima foi incansável, o António já tinha acabado há 40 m e manteve-se ali até que eu chegasse, a Isabel percorreu Lisboa quase toda, ela estava em todo o lado, o Vitor, a Família do Mota, e eu estava tão enleado que já nem sentia as dores, próprias de quem acaba uma Maratona.

O frio que estava aconselhava a que rapidamente fosse para o carro e mudar de roupa, e sem exagerar esta tarefa tornou-se quase tão difícil como fazer a Maratona, não fui capaz de tirar os ténis, pois cada vez que tentava chegar aos atacadores os gémeos agarravam e as dores eram muito fortes, optei então pela dicas que dei ao italiano, ao fim de meia hora comecei então pelos sapatos com receio do que ia encontrar e de seguida consigo trocar de roupa sem mais dificuldades, neste meio tempo que passou choveu a bom chover, passaram numerosos grupos de atletas e familiares de regresso aos seus pontos de partida com a boa disposição sempre a reinar, com os espanhóis sempre numa animação espectacular, foi assim durante o fim de Semana.

E eu, bem, regressei também a casa no meio de chuva e bastante frio, ainda com as câimbras a dificultarem-me a condução e a caminho de sarar as minhas feridas.

Publicada por joaquim adelino em 7.12.09

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Meia Maratona de Marinha Grande (20 anos depois)


Com a família do Luís Mota.

20 anos depois voltei à Marinha Grande, então tinha feito a prova na companhia da Conceição Pereira, atleta que representou entre outros o Sporting e o Benfica. Estava ela a dar os primeiros passos em representação do Clube de Atletismo de Vale de Figueira, Clube de quem eu era Director e Treinador na altura. Dicidi fazer a prova com ela e tentar ajudar na disputa directa que ela ia fazer contra a Lucília Soares, que era só na altura uma das melhores atletas portuguesas no que diz respeito a provas de estrada e em pista. Aquilo foi tremendo durante toda a prova, seguimos sempre a cerca de 100 metros da Lucília e nunca conseguimos chegar até ela, acabando por vencer aquela Meia Maratona e nós ali tão perto. Concluímos com 1,16,30h e a Lucília 1,16h.
Passados estes 20 anos fui encontrar aquilo muito diferente, mas para melhor, o percurso deixou de ser monótono e os atletas acabam por passar na meta aos 11kms tornando aquilo mais agradável. O percurso também é totalmente plano (já o era) facilitando a vida a todos os atletas.
Para surpresa minha (ou talvez não) fui encontrar ali alguns amigos que também vão fazer a Maratona de Lisboa no próximo Domingo, o Luís Mota, a Célia Azenha e muitos outros.
Aproveitei o facto de a Célia andar à procura de um grupo que pudesse fazer a prova sem grande esforço tendo em conta que faltam apenas 3 dias para a Maratona e integrei-me desde o início neste grupo que tinha pelo menos 6 atletas e que pretendiam correr a 6m o km.
Ainda tinha bem presente as tremendas dificuldades respiratórias e a falta de força nas pernas que tinha passado na Arrábida há 3 dias e por isso parti com muita prudência tentando não pressionar em demasia os pulmões pois sabia que se voltasse a atingir os limites iria atravessar grandes dificuldades. Os primeiros kms até foram bastante rápidos para aquilo que pretendíamos, mas conforme a corrida se foi desenvolvendo fomos acertando o ritmo, tanto que aos 10kms já tínhamos recuperado 6m e a previsão já era chegar em cima das duas horas.
A 2ª parte da corrida foi feita apenas com a companhia da Célia, já acusava algum desgaste devido ao ritmo imposto no início da prova, mas o seu problema real é outro e de grande peso, esta Senhora que tive o previlégio de acompanhar hoje é Super/Ultramaratonista e já leva contabilizados até hoje, e só em provas efectuadas em 2010, cerca de 1.600 kms palmilhados entre Serras, Grandes Montanhas e muita Estrada, então dicidi ficar com ela até ao fim, por ela e por mim, assim tinha a garantia de me portar com algum juizo durante toda a corrida e até chegar ao final.
Terminei a prova com a marca de 1,57,25h, "a mesma que obtive no treino noturno de S.João das Lampas no passado dia 19 de Novembro". A distância no meu Garmin marcou 21,440kms.
O convívio final manteve-se inalterável, lá estava o almoço à nossa espera no final da prova, gratuito para todos os atletas e na base de 5€ de valor da inscrição, como é possível? perguntem à organização, pode ser que ainda consígamos baixar alguns valores na nossa praça e que ameaçam seriamente a sua viabilidade em consequência do abandono de muitos por dificuldades em acompanhar por motivos económicas. A Sopa da Pedra estava excelente e saí de lá com a convicção de voltar para o Ano, tanto mais que ainda fomos obsequiados com uma bonita t,shirt azul e outras ofertas que não deixou ninguém indiferente.
Daqui a 3 dias vai ser a dobrar mas a motivação é muito boa, o percurso da Maratona melhorou um pouco e espero acabar sem grande sofrimento, vamos a ver se consigo.

Praça Stefhens e Edifício da Cãmara Municipal
Classificações

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Grande Prémio da Arrábida, a prova do Moscatel


Já na parte final  (foto do Mundo da Corrida)

Foi a minha estreia no Grande Prémio da Arrábida, sempre ouvi falar no tal abastecimento famoso de moscatel e resolvi partir à procura desta originalidade rara e própria da Região. Também a simpática rapaziada das Lebres do Sado justificou a minha presença ali na sua prova depois de tantas aventuras passadas em conjunto aí pelos diversos cantos do nosso país numa ajuda comum e fraternal.
A prova em si tem as suas naturais dificuldades, nomeadamente o acesso ao alto de Palmela, nada a que já não esteja habituado quando toca a subir montanhas, o problema é que sinto já uma natural fadiga, (e das grandes), que ás primeiras dificuldades tenho de meter travão e recuperar um pouco antes que rebente de vez. Foi uma prova bonita tendo passado por locais que eu não conhecia, não vou enumerar pontos negativos porque não é esse o meu princípio, pelo menos quando diz respeito ás organizações de provas, a menos que sejam tão graves e deliberados. Mas tenho que fazer uma pergunta: O que é que levou a que os 6 primeiros classificados da geral em determinada altura da corrida se tivessem enganado no percurso?
Eles desportivamente aceitaram a situação mas era de todo evitável, penso eu, pois ninguém gosta de perder, nem a feijões.
Apesar das minhas debelidades ao longo da prova em resultado dos poucos kms que a prova tinha, a exigir ritmos mais elevados a que não estou habituado, tenho a convicção de lá voltar porque a Arrábida é um local muito bonito e a Organização (Lebres do Sado) tudo têm feito para manter aquela Região na agenda dos corredores e amantes da Natureza.
Estive acompanhado de mais 4 atletas do meu Clube, Amigos do Vale do Silêncio, tendo feito a minha corrida, até onde pude na companhia do nosso Míster (e foi até ao Moscatel,claro) tendo chegado com 1,18,00h para os 12,850kms de distância.
Dia 1/12 vou até à Marinha Grande, (20 anos depois da minha melhor marca à Meia Maratona, 1,16,30h) será mais um treino para a Maratona de Domingo em Lisboa e com as devidas cautelas para que nenhum osso se aleige.

Ao longe o Míster a tentar e a conseguir a fuga

Eu, o Daniel, o Hernâni, o Fernando e o Vaz.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Grande Prémio da Mendiga 2010


Na partida e como sempre de peito feito

Dando cumprimento ao plano de provas traçado com a devida antecedência estive hoje na Mendiga acompanhado pelo staf de apoio familiar e cada um com a sua missão, a Susana para levar o "puto" a passear, o Daniel para competir e ajudar a nossa equipa "Amigos do Vale do Silêncio" a tentar conseguir um bom lugar na classificação colectiva juntamente com o Hernâni, o João Vaz e o João Inocêncio. Eu ia na missão de participar na variante de treino mais lento para compensar algum desgaste que ainda tinha da grande jornada de S.João das Lampas, da última Sexta Feira à noite.
Para isso contei com a ajuda mais uma vez da Susan Mota desde que foi dada a ordem de partida, não se pense que foi fácil já que os primeiros 5 kms foram feitos abaixo dos 5,30m, tal como no treino noturno nesta altura já começava a dizer para os meus sapatos que aquilo ia ser tramado, valeu-nos que nesta altura da prova já se está a subir e acalmámos. Nesta altura já levávamos a companhia do António Pinho que se juntou a nós logo após a partida e ali ficou até final da prova dando mostras de grande solidariedade pelo facto de a Susan a partir dos 8kms sentir algumas dificuldaes na articulação de um joelho e também de uma canelite que de volta e meia a apoquenta. Quando já íamos de peito aberto subindo até Serro Ventoso contra uma já forte ventania levámos também com uma tremenda enchurrada que até doía, no início até soube bem mas depressa nos fartámos daquilo, tal não era a quantidade.
No retorno mantivemos sempre o ritmo por forma a que a Susan não acusasse demasiado o esforço, aqui e ali ia refrescando a parte mais desconfortável de forma a que conseguisse chegar ao final. Perto dos 15kms ainda tivemos a visita do Luís Mota e também do Daniel que solidariamente vieram ao nosso encontro logo após terem terminado a sua prova.
Concluímos os 16,180kms em 1,35,28h. (média de 5,54m por km.). Para mim foi excelente pois precisava deste treino para acalmar um pouco da loucura da noite de Sexta.
Da minha equipa destaco os 4 elementos atrás citados por terem contribuído para uma boa classificação, face à boa valia das outras equipas não conseguimos o objectivo que era ficar nas 10 primeiras e por isso merecem o meu reconhecimento pelo seu esforço e dedicação. De destacar  as excelentes classificações obtidas pelo João Vaz: 10º da Geral Individual e 1º no escalão + de 40 anos e do João Inocêncio com um honroso 19º da Geral Individual e 4º no escalão + 40 anos, arrecadando cada um 2 troféus muito bonitos. O Vaz ainda conseguiu ganhar para a bucha, mas nem por isso comeu a dobrar!!!
Após o almoço (mais uma vez esteve excelente) foi feita a distribuição dos prémios. Aqui lamentávelmente caíu a maior nódoa desta magnífica prova, revolta-me que andem aí uns Caça Dotes, que apenas se interessam de algumas provas para lá irem caçar algum dinheiro e logo que se apanham com a massa na mão se estão nas tintas para quem com tanto esforço e dedicação tudo fez para os receber bem. Que total falta de respeito de dois atletas que no panorama nacional têm (ou deviam ter) especiais responsabilidades na promoção das boas práticas como exemplo para todos os outros e fundamentalmente para quem promove os eventos e que lhes possibilitam participar, e se for o caso, ganharem o justo prémio pelo seu esforço. Infelizmente hoje o Hermano Ferreira e o António Travassos (1º e 3º da Classificação geral) estiveram francamente mal, eu diria pessimamente mal, conseguiram que a organização lhes adiantasse o prémio monetário antes da Cerimónia e abalaram sem dar cavaco a ninguém. Foi uma tristeza ver aquele pódio com aqueles lugares vazios, ver ali altas personalidades do Concelho de Porto de Mós e do Destrito de Leiria, tais como: Representante do Governo Civil, Presidente da Cãmara, Presidente da Junta de Freguesia, representante da Santa Casa da Mesiricórdia e outros que pelo seu trabalho desenvolvido em favor das populações ali estavam como convidados e que se associaram a esta manifestação desportiva dando um alto crédito pelo trabalho desenvolvido pela Colectividade local.
Não deixarei de reprovar a própria organização ou quem tomou a iniciativa de conceder os prémios conquistados pelos referidos atletas fora do protocolo estabelecido através do Regulamento, transformando aquela cerimónia de consagração dos vencedores em algo que acabou por incomodar todos os que ali estavam presentes.
Este jesto lamentável dos dois referidos atletas acabou por ser justamente censurado pela Organização da Prova ali mesmo através do microfone, o que mereceu um forte aplauso em condenação pela atitude antidesportiva, quer do Hermano, quer do Travassos.
Não posso deixar de louvar também pelo seu comportamento correcto e de grande respeito pela Organização e por todos os atletas que ali estavam presentes o Alberto Chaiça, que tendo ficado em 2º na classificação da geral ali estava no pódio e no lugar que justamente tinha conquistado, mereceria que os seus colegas o honrassem com a sua presença ali a seu lado no pódio.
Daria um conselho a estes dois atletas, não apareçam ali mais, traíram uma vez e assim evitam trair 2ª vez.
A confusão do custume na partida

A Susana no seu passeio pedestre com o "puto"

A minha chegada com a Susan e a guarda de honra

Vista geral da almoçarada, venham cá para o Ano

Esta é a parte melhor, confesso que me lembrei do Parro

E como a vida continua e se possível limpa de alguns iluminados, estaremos no próximo Domingo no Grande Prémio da Arrábida a caminho da Maratona de Lisboa.   
Fotos de Susana


domingo, 21 de novembro de 2010

O Treino louco Noturno em S. J. das Lampas

De todo imprevisto, alinhei no dia 19/11 no Treino Noturno de S.J.das Lampas ao lado de tantos amigos, naquele que posso intitular como o mais fantástico que realizei até hoje.
Foram na totalidade percorridos 21,220kms, exactamente no mesmo percurso da Meia Maratona de S.João das Lampas.
Ainda estou para saber como é que eu acabei por alinhar à partida neste evento organizado pelo Fernando Andrade e fortemente patrocinado e apoiado pelo Fórum O Mundo da Corrida.

Fotos de Isabel Almeida

Depois de ter participado e viver aquele ambiente tão abrangente de amizade e convívio tenho a agradecer ao Luís Miguel por ter espicaçado à última hora o Pára&Comando e ao Luís Parro que pela tardinha não se esqueceu do tlim tlim de que não estava dispensado. Face à "pressão" e ao "carinho" de última hora enchi-me de coragem e fui, esquecendo que 36 horas depois tinha, e tenho, outra prova na Mendiga na distância de 16,5kms.
Estaria hoje arrependido se não fosse, é verdade que a parte difícil foi o treino mas o resto que envolveu este são convívio acabou por compensar uma noite onde não faltou quase nada.
Fomos 29 para a estrada cumprindo o horário estipulado, um pouco desordenados mas bem assinalados com coletes luminosos, a maioria deles oferecidos pela organização, ocupando no início pelo menos uma das faixas de rodagem, a autoridade não foi requesitada e conforme os kms iam passando também fomos desciplinando aquilo.  É claro que esta "disciplina" foi fruto da diferença de valores dos treinantes que a partir dos 5 kms trataram de se fazer à vidinha, começando aí a natural seleção da qualidade presente. De louvar o companheirismo de todos até então mas todos sabemos que mesmo a treinar não se pode exigir a ninguéma que acompanhe os mais lentos durante um percurso de 21kms, e um treino é sempre um treino onde cada um procura tirar algum proveito desse esforço. As dificuldades maiores começaram aos 5kms e a minha tendência foi ir ficando para trás, pois eu era de longe aquele que menos capacidades tinha no meio daquele grupo e se não queria ficar irremediavelmente para trás tinha que gerir muito bem aquilo que ia a fazer.
Aos 8 kms olho para trás e já não vejo ninguém atrás de mim, estava tramado, ali mesmo à minha frente seguia o último grupo, de entre eles seguia o Fernando Andrade, que louve-se a sua atitude, nunca abandonou à sua sorte o último dos amigos que estavam naquela aventura, juntei-me ao grupo e consegui recuperar algumas forças pois estávamos numa zona onde é possível recarregar algumas energias.
Aos 12 kms não deixei passar a oportunidade e visitei novamente o tanque das lavadeiras, afastei os limos para o lado e vai banho, desta vez com as mãos pois o boné tinha ficado a secar, que bem soube pois não estava frio e a humidade estava muito elevada, foi o suficiente para baixar um pouco a temperatura do corpo pelo menos até onde a água chegou.
Falhei o abastecimento dos 15 kms, ele estava lá mas como tinha bebido água aos 13kms achei que não precisava e segui com relativa facilidade mas com a noção de que estava a competir e não a treinar. Nas pequenas subidas que antecedem os 18kms não forçava e deixava o grupo em que vinha e mais à frente tentava sempre recuperar, até que no final da subida dos 18 kms me deu um trek de tal maneira que fui obrigado a parar, primeiro, dificuldades de respiração e depois total ausência de forças que me obrigaram a parar, vómitos sem nada sair, e continuei a andar, o Fernado que vinha a fechar ficou ali comigo e ficámos os dois cá para trás já a uma distância considerável. Depois de andar um pouco tudo voltou ao normal, agora com uma nova reação positiva, que estranhei pois já tínhamos percorrido 18kms. e encetámos a recuperação até áquele grupo que ia à nossa frente. Aos 20 kms já estamos todos juntos e formámos aquele grupo final até chegarmos à meta no local do custume. 21,220kms para o tempo final de 2,05,29h, apenas 43 segundos a mais do que tinha feito em Setembro na Meia Maratona.
O resto da jornada foi excelente, banho de água fria (soube bem) pouco depois da meia noite, pela 1h da manhã já estava de volta da água-pé, do frango assado e de todas as iguarias postas à nossa disposição.
No final deu-se a inversão dos papéis de todos os actores, éramos nós os convidados, que devíamos agradecer ao Fernando Andrade e ao Clube Recreativo de S.joão das Lampas a oportunidade que nos deram de participar naquela extraordinária jornada de confraternização e amizade que teve na corrida o seu principal objectivo.
Obrigado a todos pala camaradagem.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

ANTES QUE SEJA TARDE


ANTES QUE SEJA TARDE

Amigo,

tu que choras uma angústia qualquer

e falas de coisas mansas como o luar

e paradas

como as águas de um lago adormecido,


Não acredito

acorda!

Deixa de vez

as margens do regato solitário

onde te miras

como se fosses a tua namorada.

Abandona o jardim sem flores

desse país inventado

onde tu és o único habitante.

Deixa os desejos sem rumo

de barco ao deus-dará

e esse ar de renúncia

às coisas do mundo.
Eu nem quero acordar


Acorda, amigo,

liberta-te dessa paz podre de milagre

que existe

apenas na tua imaginação.

Abre os olhos e olha,


abre os braços e luta!

Amigo,

antes da morte vir

nasce de vez para a vida.



 Manuel da Fonseca





segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Meia Maratona da Nazaré 2010


Início da Meia Maratona
 Pelo 3º ano consecutivo (em 36 Edições da prova) estive na Nazaré a participar na sua Meia Maratona. A ideia era, e foi, recuperar da Maratona do Porto realizada no fim de Semana passada no dia 7 de Novembro.
Para isso contei com a ajuda do Mário Lima, pelo menos até ao retorno aos 12,5kms, e o resto estive por minha conta já que ele a partir dali não me quis dar mais confiança!!!
Mas a ideia era correr ao lado de outros amigos e de forma mais lenta, de entre eles estavam a Ana Pereira, o António, ambos do Clube de Sargentos da Armada, do José Magro, de entre outros, só que procurei e não os vi.

O Comando e o Pára inseparáveis

Também chegámos atrasados, o nosso "GPS" levou-nos de Loures até ás Caldas da Rainha para aí então entrarmos na A8!!!!!!!!!!! e por isso tivemos muito pouco tempo para preparar a partida e pôr tudo em ordem.
Ainda assim encontrei quase toda a rapaziada amiga que esteve comigo no Porto, tendo escolhido a Nazaré para acalmar um pouco os ânimos até que a Maratona de Lisboa não chega.
A Susana e o Daniel acompanharam-me nesta prova, ela a matar saudades daquela animação e aproveitar para passear um pouco ali à beira mar (em Janeiro vai ser mãe), ele que aproveitou o fim de Semana prolongado para fazer mais uma corrida juntamente com um bom número de colegas que representaram o nosso Clube, O Vale do Silêncio.
 Parti com muitas cautelas com o Mário e íamos olhando para trás a ver se vinha o grupo que eu procurava (também não sabia se estavam para a frente), os primeiros 5 kms foram ultrapassados com esse pensamento mas a partir dali fomos aumentando gradualmente o andamento e começámos a ultrapassar atletas, alguns deles bem conhecidos e que também estavam na ressaca do Porto. No lado contrário começaram a vir os atletas que já tinham feito o retorno e naquele ponto onde eu ia, 10kms, já levava 5kms de atraso, nada de especial considerando as naturais diferenças. O Luís Mota tinha-me afiançado que hoje era mesmo para descansar, acreditam? e lá vinha ele muito bem classificado na geral, ele não se poupa mesmo, felizmente tudo lhe correu bem mas acho que ele tem de se moderar um pouco se quiser chegar a Lisboa em condições de melhorar ou aproximar-se da sua melhor marca na Maratona.
Almoço convívio
Muitos outros amigos se foram cruzando comigo até que ouço a Ana Pereira a incentivar-me do outro lado da estrada, afinal ela vinha para trás, como eu já ia sozinho e com algum avanço deste grupo segui num andamento agora mais forte na tentativa de ainda aproveitar uma possível quebra do Comando, passo pelo Rui, namorado da Ana e saúdo-o satisfeito por o ver ali e pensar que a sua luta contra o tabaco acabará por sair vencedora e sigo. Aos 15 kms falta água no abastecimento, só havia esponjas e vi muita gente a apanhar garrafas do chão para beber alguns restos. Foi uma pena esta mancha, ali estava o abastecimento conjunto dos 10 e dos 15kms. a organização tem de repensar e resolver este problema, é verdade que muitos atletas levavam em grande parte duas garrafas cada e não pensaram nos que vinham atrás, à falta da sensibilidade de alguns tem de responder a organização com alguma disciplina.
Escaldado como eu já estou levei desde o início os meus 2 cantis e aquela falha no abastecimento não me afectou porque tinha ainda alguma água tendo mais à frente, aos 16kms, abastecido num chafariz que estava ali à beira da estrada. Ainda ofereci alguma a alguns que eu via que estavam mais aflitos.
Enquanto corria à procura da meta ia olhando ao longe mas do Mário nada, e resignei-me, ainda não era hoje mas sentia-me bem e segui sempre num andamento mais forte na tentativa de mesmo assim chegar dentro das duas horas de prova. O vento estava mais forte e ameaçava chover, é assim que eu gosto de correr, cada vez que nos aproximávamos mais daquela Avenida imensa da Nazaré o vento ia castigando cada vez mais, mas eu ia a gostar pois tornava o ar mais fresco, ajudava a respirar melhor enquanto o corpo se ia sentindo também bem mais fresquinho.
Aos 20 kms vi que iria para uma marca abaixo das duas horas, tinha 1,51h. o suficiente para acabar dentro dos planos possíveis e mais uma vez sem mazelas que pusessem em causa as provas programadas que se seguem.
 Terminei com 1,57,07 para os 21,290kms.??? 1005º da geral, média de 5,30m. (A organização creditou-me com 1,57,55h.
 Aproveitámos no final para nos juntarmos num almoço convívio num dos muitos restaurantes existentes na Nazaré e ao mesmo tempo aproveitar para que cada um podesse pôr a conversa em dia.
Segue-se a prova da Mendiga já no próximo dia 21 de Novembro. (A caminho de Lisboa)
Classificações